TMJ do meu jeito

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

TMJ Awards - Melhor/pior CBM e pior TMJ




Oiê! Hoje vamos falar das três últimas categorias do TMJAwards:

Melhor edição Chico Bento Moço
Pior edição Turma da Mônica Jovem
Pior edição Chico Bento Moço

Essa vai ser interessante. Prontos? Vamos lá!

Melhor edição Chico Bento Moço

A 32 foi uma história boa, mensagem legal e final um tanto triste.

A 36 foi legalzinha, mas nada de eletrizante, incrível, extraordinária, etc. Só me surpreendeu um pouco que o lobo fosse o Chico, mas tudo bem.

A 37 sim foi uma história para arrancar os cabelos, especialmente por causa do final triste (continua na ed. 41). As plantas ficaram mesmo assustadoras e o cenário quase parecia com o de um filme de catástrofe. E falando em filme, tem um chamado “O dia final”e fala exatamente de uma planta geneticamente modificada feita para ser usada como combustível.

Só que a danada resolveu que ia evoluir para caminhar, se comunicar e... adivinhem! Isso mesmo, crianças. Comer carne humana. As plantas se chamam “triffids” e até que lembram um pouquinho as da história. De arrepiar, não?

Finalmente temos a ed. 40, que foi bonitinha, romântica, mostrou que a afinidade entre Chico e Rosinha é tão forte que mesmo tendo esquecido um ao outro, o sentimento acabou ressurgindo. Uma história bonita, mas não me impressionou muito. No fim das contas, eles esqueceram sua história por causa de uma pedra recalcada.

Pior edição Turma da Mônica Jovem



Olha, para falar a verdade eu não achei que nenhuma dessas ed. foram as piores. Na verdade foram até importantes para o enredo geral da TMJ. Talvez a ed. 100 tenha sido colocada na lista porque os leitores tiveram tantas expectativas, imaginaram tanta coisa e no fim não foi o que todos esperavam. Mas as outras histórias até que foram boas apesar da ed. 96 ter tido um final triste.                                                                                          

Pior edição Chico Bento Moço



Não achei que essas histórias foram realmente ruins.

A ed. foi legal, mas nada assim de espetacular.
A 31 foi boa porque adorei ver o Genesinho se lascando todo.
A história da ed. 33 foi interessante, mostra que nem tudo aquilo que passa na TV pode ser visto como verdade.
Já a 35 teve uma história boa e passou uma mensagem legal sobre não ficar tempo demais jogando na frente do computador.

Então é isso, pessoal. A votação termina amanhã, então quem ainda não votou, é melhor ir se apressando. Vamos ver quem vai ganhar em cada categoria.

TMJ#2 - Um mundo de distância: Críticas



Oi, gente, desculpem o atraso. É que só hoje pude ler a ed. 02. E... bem... confesso que mesmo tendo lido duas vezes, a história não me empolgou realmente. Foi boa, não nego, mas nada que me fizesse dizer “UAU”!.

Mas enfim... pelo menos tem uma continuidade da ed. anterior. Tipo, sabemos que fazem dois meses que o Cebola está lá na Austrália. Até agora fico me perguntando por que o mandaram para lá. Será que foi para fugir do clichê de mandá-lo estudar nos EUA? Sem falar que o inglês da Austrália deve ter sotaque e pronuncia diferente do americano.

A introdução até que despertou bem a curiosidade. Só que o desenho do Dr. Spam me pareceu um pouco diferente do crossover do Chico com a turma. Sei lá, parece que ele ficou mais jovem, parecendo só um pouco mais velho que a turma. E foi legal terem colocado o Nik na história também. Já que ele vai aparecer no filme, é bom a gente ir se acostumando com ele.

A reunião deles para falar com o Cebola na Austrália até que foi legal e fofa. Mostra que mesmo tendo amadurecido, Mônica ainda mostra ciúmes do Cebola. Se bem que a intensidade foi bem menor que o de costume.

Só uma pequena observação: Quando Cebola diz “how are you doing”, traduzindo ao pé da letra quer dizer “o que você está fazendo” mas quando se fala ao cumprimentar uma pessoa o significado é “como vai você”.

Também sinto que existe um certo ciumezinho do Cebola com o Nik, embora não seja assim nada demais. A Mônica tomou gosto pelos games e o admira bastante, o que não deve estar sendo lá muito fácil para o Cebola. Pois é, né... parece que o jogo virou. Agora ele vai saber como ela se sentia quando ele ficava de nhenhenhe com a Irene todo dia.

O resto da história não foi assim nada de extraordinário. Quer dizer, logo de cara já imaginei que o anão era o Cebola que tinha entrado no jogo para ficar de olho na Mônica. Os personagens da Mônica e da Magali já são bem manjados. Já o Cascão tentou algo diferente e ficou legal de ogro.

Pelo menos o ritmo da história foi bom. Nem muito rápido, nem cheio de enrolação. O mundo virtual que foi criado não é exatamente original, parece que o período medieval é o preferido da maioria dos jogos. E as missões também não foram grande coisa, mas considerando que Dr. Spam fez tudo isso só para conquistar o mundo, dá para entender. O importante era fazer com que o pessoal gostasse do jogo.

Fico pensando em como seria se fosse mesmo possível fazer com que as pessoas pudessem ficar imersas no ambiente do jogo desse jeito. Não apenas vendo, mas também andando, sentindo, tocando, etc. Será que as pessoas estão preparadas para isso? Quer dizer, se com jogos comuns, na tela, geral fica viciada, com um jogo tão imersivo assim as coisas poderiam ficar bem complicadas. A não ser que arrumassem um jeito de limitar o tempo de jogo.

Achei fofinho o romance da Mônica com o Cebola. Parece que eles vão ter um tempinho de paz antes de começarem a brigar e tretar de novo. Só fico pensando por quanto tempo esse namoro vai durar. Será para sempre ou eles irão terminar de novo para ficarem mais uns cinco anos e meio separados com drama e choradeira? Só o tempo dirá. Por enquanto, tá bonitinho e gostaria que continuasse assim (embora saiba que não vai acontecer).

Magali e Cascão participaram um pouco mais e teve até a atuação do Franja. Gostei de não terem dado todo o destaque só para Mônica e Cebola. Até o Xaveco andou fazendo umas pontinhas e eu também gosto quando trazem um vilão clássico para as histórias.

Sei que teve muitas referencias na história, umas eu entendi, outras não. O ambiente do jogo é legal, embora meio clichê, a atuação dos personagens foi boa e gostei de vê-los trabalhando juntos.

Bom, é isso. Foi mal eu não ter escrito mais coisas, é que história com foco em jogo não me empolga muito. Vamos ver se a próxima ed. vai me deixar mais entusiasmada.

Não deixem de conferir o vídeo do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem:


sábado, 4 de fevereiro de 2017

TMJ Awards - Personagem revelação, shipper/cena do ano e melhor TMJ


Tudo bem, pessoal? Ainda estamos no TMJ Awards e hoje vou falar sobre as categorias:

Personagem revelação
Shipper do ano
Cena do ano
Melhor edição Turma da Mônica Jovem

Vamos começar?

Personagem revelação


Nessa categoria temos Dr. Stavros, Melissa, Provedor e Nick Geek.

O Dr. Stavros nós conhecemos desde os gibis como namorado da Xabéu. Ele fez o papel de típico médico cético com assuntos sobrenaturais e foi com muito custo que venceu o ceticismo (mas a que preço?). A atuação dele na história foi muito boa e deu umas revelações bombásticas. É o tipo de personagem que a gente quer ver de novo para saber o que aconteceu com ele.

Até agora eu estou muito curiosa para saber o que houve quando ele encontrou a Melissa (ou seja já o que era aquilo). Ele não falou, não foi revelado e todo mundo ficou chupando o dedo de curiosidade. Magoei, mimimi...

Melissa era outro personagem que a gente queria muito ver aparecer na TMJ e foi uma surpresa saber que ela tinha passado dessa para melhor. E para falar a verdade, até que me acusou um bocado de estranheza uma menina dessa idade vestida com aquelas roupas e de cabelo tingido. Na minha época, minha mãe não me deixava tingir cabelo nem com ki-suco.

E não vamos esquecer da boneca tenebrosa que até agora não sabemos se na TMJ é só uma boneca ou uma demônia disfarçada de boneca. Uia!

O Provedor... bem... até que se prove o contrário, tudo leva a crer que ele é só aquele personagem feito para aparecer uma única vez, cumprir sua função e não aparecer mais. Foi um personagem um tanto raso, se querem saber. Não vi nada assim de interessante nele a não ser o fato de realizar desejos.

Mas até que seria legal se ele fosse explorado outras vezes, talvez mudando as realidades de outros personagens. Tipo, o personagem faz um desejo querendo uma vida diferente, é atendido, se arrepende e implora para tudo voltar ao que era antes. Até que seria legal uma história assim, talvez com o Xaveco desejando ser popular e famoso.

E por fim temos o Nick, novo personagem da turma que inclusive vai aparecer no filme da TMJ. Eu ainda não sei se ele foi um bom acréscimo ou não porque o rapaz apareceu pouco e não vejo muito da sua personalidade. Ele participa da ed. 3 da TMJ e estou ansiosa para ler a história e quem sabe conhecê-lo um pouco mais.

Só espero que não resolvam formar outro triângulo amoroso entre Mônica, ele e Cebola. Sei lá, já tivemos muito disso, não sei se quero ver mais.




Shipper do ano


Ah, aquele casal pelo qual todos torcem e suspiram! Aqui temos 4 opções: Doconico, Cebonise, Cebonico, Xavenise. Sabe... confesso que acho esses nomes de shipper tão bobos! Mas acabo usando porque eles simplificam bastante a escrita. Ao invés de falar “casal Denise x Xaveco”, falamos só Xavenise e pronto.

Mônica e DC: para falar a verdade, eu fiquei bastante desconfiada do DC no início do namoro, não acreditava realmente que ele gostasse da Mônica e sim que a namorava porque a achava diferente. E o fim da ed. 96 meio que continuou me dando essa impressão quando Cebola falou que ele idealizou a Mônica de um jeito que ela não era.

Então deu aquela sensação de que ele não amava a Mônica e sim uma imagem que tinha dela. Achei uma pena porque até que estava curtindo ela com ele. Sei lá, acho que o DC tem alguma coisa que o Cebola não tem, só não sei dizer o que é. Ainda assim não consigo ser Doconica. Acho que só estava me acostumando com eles e nada mais.

Denise e Cebola: esse mexeu com muita gente, não foi? Mesmo sendo obra de um encantamento maluco, esse casal improvável atraiu muitos fãs. As vezes fico pensando no que aconteceria se ambos namorassem. Uns pensam que se isso acontecesse, um ia acabar incentivando o que há de pior no outro, pois parece que ambos tem defeitos muito parecidos.

Mas sendo otimista, pode ser que um sirva de espelho para o outro ver os próprios defeitos e assim ambos possam melhorar. É uma possibilidade que poderia acontecer caso os roteiristas decidissem juntar o casal de vez e fazer dar certo. Mas para ser sincera, esse casal nunca me atraiu. Tudo bem que eles tem muitos defeitos em comum, mas e qualidades? Será que eles gostam das mesmas coisas? Acho que não.

Mônica e Cebola: o shipper dos sonhos de muita gente, aquele que todos esperaram por mais de oito anos (talvez uns cinqüenta se contarmos o gibi). E até agora, o único que é realmente viável.

Antes eu estaria torcendo o nariz para eles, mas depois de ver como o Cebola mudou, só estou levemente desconfiada. Ainda tenho a sensação de que não vai durar, que alguma coisa irá acontecer e eles acabarão separados. Sim, gente. Quando se trata desses dois, eu não consigo ser otimista e acreditar que tudo vai dar certo porque até agora o relacionamento deles foi feito só de drama, briga e choradeira e é isso que faz vender revista e atrair o interesse do público. Quem vai se interessar num namoro que está indo bem?

Mas para ser justa, eu acho que eles combinam bem mais que os outros shippers. Mônica e Cebola não incentivam os defeitos um do outro, muito pelo contrário. E eles tem os mesmos gostos, curtem as mesmas coisas e atualmente Mônica está gostando mais de jogos, o que pode aumentar o tempo deles juntos porque Cebola também adora jogar. E ele sabe como agradá-la porque deve ter prestado mais atenção nela do que o DC.

Com o tempo eu vou me acostumar. Aí, quando eu já estiver achando tudo lindo e fofo, a MSP irá separá-los de novo.

É dose!

Denise e Xaveco: Esse sim é um casal pelo qual muita gente torce, mas parece que não vai rolar tão cedo. E gente, vamos combinar: eu não consigo imaginar de que forma Denise vai se interessar pelo Xavequinho e vice-versa, já que ele também mostrou que não quer nada com ela. Até agora não vi nada em comum entre eles a não ser o fato de serem secundários.

Vamos lembrar que a Denise se apaixonou pelo Xavecão, cheio de atitude, corajoso e guerreiro. A não ser que o Xaveco comece a puxar bastante ferro e a lutar contra a destruição do mundo “like a boss”, acho que não tem chances de a Denise do presente se apaixonar por ele.


Cena do ano


Agora temos aquelas cenas que nos deixaram de cabelo em pé, que merecem ser lembradas:


Revelação do cavalo da decadência - vamos combinar pessoal: não é todo dia que um cavalo se revela, não é mesmo? Pelo que sei, o da fome só vai aparecer em 2018, então essa cena merece sim muito destaque. Ainda mais da forma como foi feita, com o Feio se transformando numa centopéia gigantesca. Cena digna de qualquer filme de terror.

Foi tenso, sinistro, tenebroso, deu arrepios e deixou todo mundo ansioso.





Magali se transformando em bruxa – é, foi legal e tudo, mas já tinha visto isso antes e existe a possibilidade de vermos de novo porque o cavalo da fome vai ser inimigo dela (eu imaginava a Agnes, mas o Emerson deu a entender que é a Viviane). Ainda assim eu acho muito legal ver essa transformação, imaginar como uma pessoa se esforça para não ser esmagada com tanto poder.

Confesso que eu gostei bem mais da Magali feiticeira do que dela meiguinha e normal. Podiam ter deixado assim, mas foi necessário fazê-la voltar ao normal, eu sei. Só fico pensando em como vai ser caso ela recupere os poderes de novo. Será que ela vai se lembrar de como controlá-los ou vai enlouquecer e destruir o mundo? Mistéeerio!


Denise do futuro queima silencioso – foi uma boa cena de ação e um tanto forte porque alguém foi incinerado. Adorei a atuação do Silencioso e os poderes de fogo da Denise. Fico pensando em como seria legal se a Denise do presente também aprendesse a controlar esses poderes. A do futuro bem que podia ensinar, viu?






Mônica volta com Cebola – essa entrou no roll da fama porque foi a mais esperada dos últimos anos. Foi uma volta precipitada e sei que não sou a única a pensar assim, mas não deixou de ser uma cena bonita. Aposto que muita gente deve ter chorado.






Melhor edição da Turma da Mônica Jovem


A Torre Inversa, parte final – adorei essa história. Tantas revelações, coisas que nos deixaram de cabelo em pé. Descobrimos algo estranho sobre o passado da Agnes, que ela era irmã gêmea de Boris, o gato comparsa da Viviane e também as razões do Capitão Feio ser o que é e fazer o que faz. Foi uma história cheia de treta, barraco, gritaria e confusão com o Cascão se tornando o novo Feio e tocando o terror na geral.

Foi uma história densa, tanto que falar dela aqui gastaria um post inteiro. Ela merece mesmo ser o destaque do ano.

O apanhador de pesadelo – foi legal, não nego, mas nada assim que me chamasse a atenção. Acho que mereceu destaque por causa do pessoal lidando com os pesadelos. E também porque as criaturas dos pesadelos ficaram bem interessantes e me enganaram bem. Tipo, teve uns que eu pensei serem da Mônica, mas eram da Magali. O que eu pensei ser da Magali era do Cebola e o que eu acreditava ser do Cascão era da Mônica. Doideira, não?

O parque assombrado – cheia de treta, zoação barraco e gritaria, mas não foi tão densa quanto a Torre Inversa. Ainda assim foi uma história muito boa por causa da Denise do futuro e do Silencioso. Também valeu pelo clima saudosista ao falar do parque do Ursinho Bilu. Foi difícil não lembrar das histórias dos gibis e ver relação entre ela e a ed. da TMJ. Tudo bem costurado. 






Te amo para sempre! - História boa, não nego, mas um tanto parada e ficou bastante enjoativa com o passar do tempo. Mas gostei de ver como os dois amadureceram e souberam lidar bem com a nova situação.  








Por hoje é só, pessoal. Espero que vocês não esqueçam de votar e prestigiar o TMJ Awards! http://tmjawards.blogspot.com.br/



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

TMJ Awards 2016 - Melhor personagem principal, melhor vilão TMJ/CBM e personagem destaque


Como vai, pessoal? Estamos de volta com o TMJ Awards 2016. No post anterior eu falei sobre as quartas capas (TMJ Awards 2016 - Quartas Capas TMJ e CBM) e hoje vou opinar sobre as categorias:

Melhor personagem principal
Melhor vilão da Turma da Mônica Jovem
Melhor vilão Chico Bento Moço
Personagem destaque.

Vamos lá?

Melhor personagem principal


Nessa categoria estão os quatro principais: Mônica, Cebola, Magali e Cascão. Bem... a Mônica é minha segunda personagem preferida, então é meio suspeito eu falar dela. Eu gosto da Mônica porque sempre me identifiquei com ela em várias coisas.

Sei que ela não é perfeita, mas é uma pessoa de bom coração, se importa com os outros (as vezes mais do que consigo mesma), amiga fiel e também corajosa. Ela tem um gênio ruim do cão, não nego, mas é o tipo de pessoa que faria qualquer coisa para ajudar um amigo com dificuldades. E ela também é inteligente e até consegue bolar bons planos que funcionam.

Além do mais, ela nunca foi exatamente uma garota dentro dos padrões. Quando criança, era a única menina gordinha da turma, era baixinha e dentuça. Ou seja: era uma menina diferente das outras. E também tem sua grande força física. É bem legal o Maurício ter colocado uma personagem feminina tão forte e poderosa, mas que também tem lá suas fragilidades.


Já o Cebola... bem... ele nunca foi meu personagem preferido, nem na TM, nem na TMJ. Mas confesso que minha birra pelo Cebola diminuiu bastante já que ele tem amadurecido nas últimas edições. Ainda não posso dizer que gosto dele, mas pelo menos consigo tolerá-lo pacificamente.

Ele tem uma personalidade complexa, é inteligente e dotado de uma extraordinária capacidade de causar estragos na humanidade caso tome um caminho errado. Pessoal fala que ele estava sendo vilanizado só porque cometeu alguns erros, mas eu discordo porque apesar de tudo, ele se arrependeu e esforçou para consertar suas burradas (coisa que um vilão de verdade não faz).

Foi bom ver como ele evoluiu de um tremendo pé no saco à alguém com maturidade.

Cascão ultimamente tem sido relegado à secundário, o que é uma pena. É um personagem que poderia render boas histórias caso fosse melhor explorado. Ele ficaria ótimo em histórias de ação, temas esportivos, exploração do mundo nerd ou então em algo mais existencial, onde ele questiona sua capacidade e seu valor.

Também seria legal se ele tentasse salvar seu tio daquela maldição. Não precisa ser feito em uma única edição, pode ser algo feito aos poucos. Se bem que isso mexe mais com o lance da serpente, que é área do Emerson. Mas acho que outro roteirista poderia explorar isso sem mexer na saga principal.

Sem falar que o Cascão tem outros inimigos como Cremilda e Clotilde, ou o Dr. Olimpo que também poderiam ser resgatados das histórias dos gibis de alguma forma.

E finalmente temos o Chico. O que dizer dele? Bem, talvez um tanto perfeitinho demais considerando seu passado de garoto meio preguiçoso, malandrinho e que enrolava para estudar. Mas acho que gosto assim mesmo. 

Apesar de gostar do lance sobrenatural das histórias, fico me perguntando como ele consegue viajar tanto, ir para as montanhas, praia, sei lá mais aonde... mas estudar que é bom mesmo, nada né?


Melhor vilão da Turma da Mônica Jovem


Ah, essa categoria é bem legal. Os candidatos são: Capitão Feio, Górgonas, Pesadelos e Silencioso.

Olha, das Górgonas e dos Pesadelos nem tenho lá grande coisa para falar porque são personagens criados para apenas uma história e fim. Mas o Capitão Feio e o Silencioso são outros quinhentos.

Quer dizer, a atuação do Cap. Feio foi incrível na saga da Torre Inversa. Ele conseguiu nos enganar direitinho se passando por um velhinho indefeso e deixou muita gente na dúvida quanto a sua identidade.

Também foi incrível ver como o passado dele foi explorado, lhe dando mais profundidade e explicando as razões de ele ser o que é e fazer o que faz. As vezes acho que ele ainda tem um restinho de afeto pelo Cascão, embora isso esteja enterrado lá no fundo por causa da maldição. Pelo menos nos gibis ele já mostrou isso algumas vezes, na TMJ nem tanto.

O Silencioso apareceu uma vezinha só, mas foi um vilão para ninguém botar defeito. Cruel, ardiloso, engenhoso, megalomaníaco e com um desejo insano de dominar o mundo. Sem falar que ele é o saudoso Humberto, que nunca apareceu na TMJ. Quem poderia imaginar que esse personagem tomaria um caminho tão inesperado? Fiquei até com um pouco de pena por ele ter sido destruído porque seria interessante vê-lo por aí tocando o terror na turma.

Melhor vilão Chico Bento Moço


Já dos vilões do Chico Moço fica meio complicado de falar porque todos eles tinham sido feitos para uma única edição. Se bem que o da ed. 34 (aquela em que o Chico fica famoso) pode ter sido enviado por um mal maior para desviá-lo do bom caminho, não sei. Já os outros... sei lá.

O traficante de animais era só um sujeito malandro e safado que queria ganhar a vida explorando animais indefesos. A Víbora era uma garota perversa filha do caipiroto que virou um monstro gigante e feio. Victor era um sujeito frustrado com sede de fama e poder. Nada assim que realmente chamasse a atenção.

Personagem destaque.


E aí? Quem se destacou na opinião de vocês? Temos Denise do futuro, Denise do presente, Xavecão e Penha.

A Denise do futuro teve bom destaque porque revelou muitas coisas e descobrimos que ela faz parte de uma trama bem maior e mais complicada, sendo alguém disposta a sacrificar sua vida amorosa para salvar o mundo.

A Denise do presente teve boa participação, sempre trolona debochada. Mas também inteligente e heroica quando precisa.

O Xavecão foi... é... nada demais. Apenas legalzinho e gostei da parte onde ele esmagou o Silencioso.

Já a Penha realmente se destacou a meu ver. Ela me surpreendeu ao trabalhar junto com a turma e não traí-los em momento algum. E também mostrou que é sensível ao tratamento indiferente que seus pais lhe deram. Sem falar que não sabemos ainda qual é a origem do seu poder de controlar pessoas com o olhar. E também tem uma característica do seu olhar do desprezo que ninguém conhecia: se uma pessoa for capaz de vencê-lo, se torna mais forte. Alguém quer tentar?

Eu também achei legal ver que no fundo ela se importa com a Sofia e vê a Agnes como melhor amiga apesar de ser uma criatura bizarra feita de sombras.

E vocês? O que acham dos personagens de cada categoria? Não esqueçam de registrar o seu voto:


segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

TMJ Awards 2016 - Quartas Capas TMJ e CBM



E aí, pessoal? Conferiram o post onde falam das capas TMJ e CBM? Quem não leu, pode dar uma olhada aqui: TMJ Awards 2016 - Capas TMJ e CBM.


Agora nós vamos falar das quartas capas. Gente, é impressão minha ou elas costumam ser mais bonitas que as capas principais? Meldels, algumas são verdadeiras obras de arte!

Vamos começar com as da TMJ:

O que falar desse desenho tão sinistro? Quando foi lançada, geral ficou se perguntando quem eram esses três, especialmente o sujeito atrás. Alguns disseram que era o Snape magrinho, outros acharam que era uma mulher. E essas crianças, vixe! Cara de quem é do mal ao quadrado!

Eles têm um olhar sombrio e expressão de quem não vai com a nossa cara. A fumaça da vela serpenteando ao redor do adulto também deu um clima bem sinistro ao desenho. Atrás, um ambiente escuro e assustador, digno de uma história de terror.



Difícil não gostar dessa quarta capa, especialmente por causa da Denise do futuro aparecendo toda sinistra nas telas. Eu gostei bastante do visual que deram a ela, cabelos coloridos e batom verde. E nos faz pensar que ela era a vilã nessa história.

Uma coisa que nem todo mundo (inclusive eu) notou é que esse desenho é a capa vista de um ângulo diferente. Na capa, nós vemos os personagens de frente para nós e assim podemos ver as coisas bizarras atrás deles. Na quarta capa, nosso ponto de vista fica atrás deles e assim podemos ver o que eles estão vendo. Uma pena terem errado na roupa da Mônica, que ficou diferente. Mas o resto está ótimo.

Os fios e cabo deram um ar meio tecnológico, meio caótico, como se tudo aquilo fosse improvisado de alguma forma. E dá uma prévia do que vamos ver dentro da história também.

Gente, vamos combinar: essa não é uma quarta capa. É A quarta capa. Talvez a mais bonita de toda a TMJ. Podemos ver que o estilo do desenho é bem diferente, mais como feito a lápis, desenhado a mão. Os traços ficaram lindos e os rostos muito bem desenhados, uma beleza mesmo.

As roupas das meninas foram feitas nas suas cores clássicas, amarelo para Magali e vermelho para a Mônica. Gostei das pequenas borboletas do vestido da Magali e eles colocaram bastante brilho.  O vestido da Mônica ficou muito bom com a manga de um lado só e o colar dela caiu muito bem além de combinar com os brincos e as pulseiras. O cabelo dela também ficou muito bom e foi a primeira vez que eu o vi preso. O penteado caiu muito bem nela.

E os rapazes também ficaram elegantes de terno. Em cada personagem o desenhista tentou colocar na roupa algo de cada um na infância. Para Mônica e Magali foram as cores dos vestidos, para o Cascão um lencinho xadrez vermelho igual ao short que ele usava na infância. Para o Cebola, uma abotoadura no formato dos seus cinco fios e a folha verde da rosa é uma forma sutil de acrescentar essa cor.

O jeito que arranjaram os rostos de cada um ficou bom também. Conseguiram colocar os rostos da Mônica e do Cebola juntos e os do Cascão e Magali ficaram nas beiradas (porque até o momento, eles não são um casal). É uma quarta capa muito bonita e adorei esse novo estilo.

Também feita no novo estilo, essa capa deixou muitos fãs pulando de alegria. E também pareceu uma referencia ao filme “a culpa é das estrelas”. Isso meio que ajudou a enganar um pouquinho os leitores fazendo-os pensar que a tal carta do Cebola tinha uma notícia bem ruim.

O desenho dos dois ficou lindo, dá para ver o amor entre eles e o desenho da grama passa mesmo a idéia de que estão deitados e nós os vemos de cima. Não esqueçam do pingente da Mônica, o mesmo que vimos na capa.





Agora é a vez das quartas capas da CBM.

Bonita, não nego, mas confesso que estranhei um bocado essa formiga com cara de gente. Tirando esse detalhe estranho, gostei da caverna, as asas transparentes e delicadas que parecem um manto e essa pose de rainha. As colunas de rocha ficaram muito legais e o flash de luz a esquerda não deixou que o ambiente ficasse sombrio.

Só que aqueles ovinhos ali atrás, sei lá, não pude evitar de ficar imaginando a Rosinha botando todos aqueles ovos. Meio estranho.




Dessa eu realmente gostei. O ângulo, a perspectiva, todos os detalhes da árvore, do morro onde ele estava em cima e o cenário lá em baixo, tudo ficou muito bom. Adorei a lua bem atrás dele e a casinha lá em baixo, como se ele estivesse vigiando tudo.

O rosto ficou bem detalhado, não só os dentes como também a cabeleira e o focinho. Mas o abdômen ficou um tanto estranho. Quiseram mostrar o tanquinho sob os pelos e isso prejudicou um pouco. E os fios dos pelos dos braços e abdômen poderiam ter ficado um pouquinho mais soltos, mas isso não estraga o desenho.

O que eu mais gostei dessa foi do ângulo, onde o observador vê tudo de cima e acompanha toda a ação. Uma das plantas parece pronta para devorá-lo começando pela cabeça e a baba espirrando deu um efeito meio que tridimensional ao desenho. As cores e os detalhes das plantas também ficaram muito bons, assim como a sombra delas no chão e na parede. A raiz sem uma delas furando o chão deu mais realismo a cena, mostrando que essas plantas são fortes e destrutivas.





Não é todo dia que vemos um esqueleto numa quarta capa. Podia ser uma cena forte, mas não é. acho que o vestido florido suavizou um pouco. Gostei de como desenharam as paredes do poço, é algo de quem entende de perspectiva. Tem que saber fazer para não ficar torto ou estranho.

Tudo ficou bem posicionado. O cadáver, o Chico logo acima amarrado pela corda e segurando a lanterna e também as pessoas que estavam lá em cima olhando tudo, mais o céu no fundo. A composição ficou boa e deu um ar mais sombrio e misterioso a imagem.


E aí? De qual gostaram? Não esqueçam de registrar seus votos!