TMJ do meu jeito

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Como fazer olhos no estilo TMJ

E aí, gente? Beleza? Hoje vou postar um pequeno tutorial mostrando como eu faço os olhos dos personagens no Photoshop. Antes de começarem, eu aconselho a fazer cada elemento em uma camada separada. Depois vocês juntam tudo. Vai facilitar o trabalho.

É assim:

1 – Comecem fazendo os cílios e o círculo onde vai ficar a íris do olho.
2 – Pintem a pele e depois o branco do olhos. 

3 – Comecem com a cor base. Nesse caso eu usei castanho porque a maioria dos personagens tem olhos dessa cor.

4 – Façam um círculo preto no meio, que será a pupila. Vocês podem usar a ferramenta elipse tool. Criem o círculo do tamanho desejado, tomando cuidado para não ficar muito grande ou pequeno. Depois cliquem com o botão direito do mouse e selecionem fill path.

5 – Façam os reflexos da cor branca. Eu coloco os dois na diagonal, o maior em cima e o menor em baixo. Não precisa ser um círculo perfeito, mas podem fazer assim se quiserem.

6 – Agora vamos adicionar uns efeitos legais na íris do olho. Lembram da camada onde colocamos a cor base? Selecionem essa camada e depois a ferramenta burn tool. Coloquem exposure em cerca de 40% e range como midtone. Depois Alterem as propriedades do brush colocando hardness em 0%.

Escureçam a parte de cima do círculo e um pouco na parte de baixo, isso vai dar mais sensação de profundidade.
7 – Agora selecionem a ferramenta dodge tool. Coloquem exposure em cerca de 40% e range como midtone. Depois Alterem as propriedades do brush colocando hardness em 0%. Clareiem a parte de baixo do olho até acharem que está bom.
8 – Esse passo é opcional. Se quiserem, selecionem a ferramenta blur e passem por cima dos reflexos brancos. Aí vai do gosto de cada um.
Pode parecer meio difícil na primeira tentativa, mas com o tempo vocês se acostumam e até poderão criar o próprio estilo de vocês. O importante é treinar.


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

TMJ#1 - ... Te amarei para sempre: Palpites




Finalmente saiu a capa da ed. 1 da TMJ. E gente, ficou uma capa muito bonita!

O fundo é um dos melhores, realmente adorei. Bem mais bonito do que aquelas coisas abstratas que colocavam antes. O desenho dos dois também está lindo e romântico.

Só que a história... sei não... a sinopse diz que o namoro deles vai ficar tipo um pesadelo por causa de uma carta que o Cebola recebeu. Ai, meldels... os dois nem começaram a namorar e já vem com drama? Ain... que preguiça!

Bom, o que será que tem nessa carta maligna para deixar o Cebola tão perturbado? São várias possibilidades:

1 – uma ameaça à Mônica. talvez o remetente esteja chantageando o Cebola de alguma forma e se ele não ceder, a Mônica será prejudicada.
2 – uma intriga ou mentira que vai atormentá-lo.
3 – talvez a carta de alguém do passado do Cebola, não sei.
4 – uma proposta para estudar ou fazer intercambio em outro país.

Confesso que estou apostando mais nessa quarta possibilidade. Por quê? Reparem no paletó que o Cebola está usando. Não é o tipo de roupa que ele usa no dia a dia, certo? Então tudo me leva a crer que isso é um uniforme de alguma escola e ao que parece deve ser bem chique. Ou então uma roupa mais elegante que ele pode estar usando para viajar de avião ou ir a um lugar sofisticado.

Talvez seja esse o tal pesadelo de que a sinopse está falando. Quer dizer, ao receber essa proposta para estudar longe, o Cebola com certeza vai ficar dividido entre ir e ficar com a Mônica. Finalmente ele conseguiu reatar com ela e tudo parecia ir muito bem. Como abrir mão disso tão de repente?

E se ele vai ficar dividido, é porque com certeza a proposta deve ser boa, algo que ele quer muito. Pode ser uma escola excelente, que vai abrir caminho para os seus sonhos de dominação mundial. Caso contrário bastava ele dizer não e as coisas continuariam como estão.

Foi prometido no fala Mauricio da ed. 100 que ainda vai ter drama e dificuldade no namoro deles e parece que esse será o primeiro. Sim, porque com certeza é pedir muito que esses dois namorem por uma edição inteira sem nenhum drama, certo? Isso non ecziste.

Agora só falta saber se ele vai ou não aceitar essa proposta. Bem difícil, não? E a Mônica? Como ela vai reagir ao saber que eles mal começaram a namorar e o Cebola já está indo embora para longe? Bem, imagino que ela vai ficar triste, arrasada, talvez até um tanto arrependida por ter dado uma segunda chance para ele, pois agora corre o risco de se machucar (coisa que ela queria evitar desde o início). Mas no fim imagino que ela vai acabar aceitando porque pensa no bem estar dele e não quer vê-lo perder uma grande oportunidade só por causa dela.

Será que ele vai mesmo embora? Acho meio difícil. Quer dizer, se o Cebola for para outra escola, como ele vai aparecer nas histórias? Será que vão abrir mão de um dos quatro protagonistas? Acho que não. A não ser que ele só vá ficar por um tempo, talvez seis meses ou um ano. Ainda assim teriam que fazer algumas edições sem ele. Sem falar que um tempo curto de ausência não seria assim suficiente para transformar o namoro em um pesadelo, seria?

Repararam no pingente que a Mônica está usando? E no título da edição? O “te amo para sempre” está depois de três pontos, indicando que havia algo antes. Talvez seja uma carta (ou e-mail, porque o Cebola é todo modernoso). Seria uma carta de despedida? Talvez o pingente seja algo que ele deu para que a Mônica saiba que mesmo longe, ele vai continuar pensando nela e seu amor não vai diminuir.

E será que, dessa vez, eles vão namorar por pelo menos uma edição inteira ou irão separá-los de novo? O fala Mauricio anterior disse qualquer coisa sobre perigos e desvios nas histórias que abrem caminho para um histórico retorno. Isso quer dizer que eles ainda não retornaram de fato?

Se bem que a história é do Flávio e os dois foram unidos pela Petra. E sabemos que o que um roteirista une, o outro não separa. Só a Petra pode mexer nesse casal, então podemos concluir que eles não vão terminar. Pelo menos não dessa vez. Mesmo que o Cebola vá mesmo estudar longe, eles continuarão namorando. Mas será que a MSP vai mesmo dar esse passo?

Caso isso aconteça, como vai ser? Com a Mônica longe, será que o Cebola vai resistir as tentações ou vai correr atrás de qualquer garota bonita que lhe dê bola? E a Mônica? Vai continuar esperando pacientemente pelo Cebola (por mais oito anos e quatro meses) ou será que vai acabar se apaixonando por outro rapaz?

Claro que são só possibilidades, né? O Cebola pode acabar não indo a lugar nenhum e tudo continua como está. Imagino que a história vai ter uma boa solução, apesar de tudo. Bom, pelo menos eu espero né? Vou ler esperando o melhor, mas vou me preparar para o pior também.

Ah, outra coisa que eu notei, e não imaginava que fosse acontecer, é eles terem aumentado a faixa etária da revista para 12 anos. Aí sim! Quer dizer, 12 anos para mim ainda é pouco, mas acho que deve melhorar um pouco as histórias porque não vai ter tantas restrições, já que o público é um pouco mais velho. Só fiquei surpresa de terem feito isso, porque pode acabar prejudicando as vendas. Ou não, sei lá. Tem crianças que lêem conteúdo para pessoas mais velhas e ficam numa boa. E as histórias da TMJ não tem nada assim de tão tenebroso que uma criança dessa idade não possa ler.

Vamos aguardar, né?

(nota: eu vi a sinopse da próxima edição e ao que parece, ele foi mesmo estudar longe. Valeu pelo spoiler, MSP!)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Memorizando o hiragana e o katakana


No artigo anterior eu falei que o primeiro passo para aprender o japonês é aprendendo o alfabeto e até fiz algumas comparações com o nosso para mostrar que o hiragana e katakana não são tão complicados quanto parecem. Muita gente pode discordar, mas a meu ver esses dois alfabetos (e a forma de combinar as letras para formar os sons) me pareceu até mais simples do que o nosso. Eles só assustam porque a escrita é diferente da nossa.

Agora vou ensinar como decorar os dois alfabetos. No início vai parecer trabalhoso, mas com o tempo vão achar até fácil e divertido. Nós vamos decorar os novos símbolos usando mnemônicos. Mas o que é isso? É pra comer ou pra passar no cabelo? Nenhum dos dois.

Mnemônicos são técnicas que usamos para nos ajudar a memorizar as coisas. Simples assim. Isso tem a ver como o nosso cérebro funciona. De um jeito simplificado, é assim:

Você viu uma nova informação. Seu cérebro vai pegar isso e comparar com o que já tem dentro dele. Quanto mais parecido for, mais fácil ele vai memorizar. Mas se for muito diferente, aí vai ser difícil. Sabe aquele brinquedo de encaixar blocos em buracos com formatos diversos que as criancinhas usam? É por aí. Quando seu cérebro pega a nova informação, ele vai procurar pelo buraco onde ela possa se encaixar melhor. Quanto mais o formato da nova informação for parecido com os que já existem no nosso cérebro, mais fácil vai ser o encaixe e a memorização.

Agora imagine o seguinte: a nova informação tem a forma de estrela, só que no seu cérebro não tem nada parecido. É uma informação totalmente nova e ele ainda não conhece o formato dela. Vai ficar difícil assimilar, não vai? É aí que entram os mnemônicos.

Usando um mnemônico, você vai “juntar” essa informação nova com outra que você já conhece. Com o tempo seu cérebro vai decorar o novo formato e armazená-lo. Vou dar um exemplo para vocês entenderem.

Imaginem esse hiragana: a pronuncia dele é ku. Conseguem lembrar de uma palavra em português que comece com esse som cuja imagem possa ser encaixada nesse hiragana? Vou dar uma dica: lembram da TMJ 99 quando o Silencioso virou um cuco? Pois é. Junte o hiragana com o desenho de um cuco e pronto! 


Agora ficou fácil, não ficou? Por que? Primeiro, porque nosso cérebro já sabe o que é um cuco. O hiragana ku meio que tem o formato de um bico aberto, aí só tivemos que juntar as duas coisas. Segundo, porque a informação é inusitada, divertida. Eu mencionei a TMJ 99 exatamente porque tem mais impacto para vocês. É um outro segredo dos mnemônicos: quando for aprender uma nova informação, tentem associá-la com algo divertido, absurdo, maluco, etc. Sejam criativos e usem bastante a imaginação. Nosso cérebro tem mais facilidade para decorar coisas absurdas e diferentes do que coisas normais.

Mais um exemplo: (hi) – esse hiragana se pronuncia como ri em “risada”. Captaram a referencia? Imaginem a bruxa Viviane se tornando o cavalo da Fome e morrendo de rir na cara da turma. 

Também tem esse aqui: (no). Nesse caso, imaginem uma corda dando um nó. Eu sei que os sons são um pouco diferentes, mas ajuda a decorar. Claro que alguns outros vão ser um pouco mais desafiadores. Nem sempre vocês vão achar palavras que comecem com o som do hiragana que dê para usar a imagem delas.

O som também pode estar no meio da palavra, mas é importante que ele seja ressaltado na hora de decorar. Tipo o hiragana (tem som de ri como em peRIquito). Acho que não tem em portugues nenhuma palavra que comece com esse som, então eu usei a palavra periquito para memorizá-lo.


Ou esse aqui (mu). Pensem na vaca Mimosa do Chico fazendo “muuuu”. 
 

Querem mais um? Que tal esse: (o)? Pensando bem, esse hiragana me lembra um pouco a marca de IOR. Sei que precisa certa imaginação para ver isso, mas se colocarem dois traços na diagonal dá para ficar quase parecido. É tipo uma cruz no formato da marca de IOR fincada no chão daquele cemitério dos filhos de Umbra, que fica atrás da porta vermelha que sobrou da casa queimada da Berenice. Aposto que ao usar essas associações, vocês vão lembrar dessa letra com muito mais facilidade. Reparem que nesse caso, a imagem que usamos não começa com a letra "o", mas tem ela no meio. Isso vai acontecer várias vezes porque nem sempre vamos encontrar a imagem certa que começa com o som que queremos aprender.

É esse o objetivo dos mnemônicos, associar uma coisa nova e desconhecida com outra que nos é familiar (mas que ao mesmo tempo seja divertida/maluca) e assim tornar mais fácil para que nossos cérebros consigam aprender.

Com o hiragana e katakana é a mesma coisa, só precisa de um pouco mais de empenho. Criem suas próprias imagens. Eu criei as minhas, mas muitas delas não vão fazer sentido para vocês. É importante que vocês mesmos criem essas imagens porque vão decorando a letra durante o processo.

Imprimam os dois alfabetos de forma que fiquem com um bom tamanho e desenhem em cima delas com canetinha. Vão fazendo as imagens que vocês consigam decorar. A idéia é quando vocês verem o hiragana ou katakana, vão logo lembrar da imagem e conseguirão decorá-los.

Vocês podem ir aprendendo esses alfabetos escrevendo e escrevendo numa folha até decorar. Fazer isso ajuda e eu aconselho. Mas tem outras ferramentas legais também.

Eu uso esses dois apps (para Android) aqui:  Hiragana - Learn Japanese e Katakana - Learn Japanese com eles, posso aprender os dois alfabetos e tem até recurso para a gente ir desenhando com o dedo. Está em inglês, mas isso não atrapalha na hora de usar. Os dois apps tem os seguintes recursos:

Choose the hiragana – escolha o hiragana. É de múltipla escolha. Ele dá o som e apresenta quatro opções para escolher. 
Write in romanji – escreva em romanji. Mostra o caractere em hiragana ou katakana e a gente tem que transcrever em romanji. 


Nota: romanji é quando escrevemos palavras japonesas usando as letras do nosso alfabeto. Por exemplo, gato em japonês é 猫. Mas como saber a pronúncia? Através do romanji "neko".

Write the hiragana – escreva o hiragana. É o que eu mais uso. Nele ouvimos o som e temos que escrever o hiragana com o dedo. 

 
No início tem o caractere bem clarinho para a gente ver como é. É só acompanhar o desenho com o dedo, mas tem a ordem certa. Depois mostram só os pontinhos como referencia e por último a tela vazia. É um pouquinho só difícil porque a ordem dos traços é levada em conta e qualquer desvio com o dedo atrapalha tudo. Mas com o tempo a gente acostuma e fica bem legal. Mesmo já tendo aprendido os dois alfabetos, ainda uso bastante para manter tudo fresquinho na memória. 

Aqui tem uns vídeos que eu fiz enquanto resolvia os exercícios. Esse é o app para o hiragana, mas o katakana funciona da mesma forma. O primeiro mostra a resolução das questões de múltipla escolha. O segundo mostra o exercício de escrever os romanjis para cada hiragana. O terceiro é o recurso de escrever o hiragana com o dedo na tela. Para usar esse app, tem que ser com touchscreen.




TMJ#100 - Eles voltaram!: Críticas




Bom, eu demorei para fazer essa crítica porque... sabe... digamos que eu tinha outras expectativas para a ed. 100.

Por um lado eu vivia falando que iam deixar a ed. 100 para a reconciliação da Mônica e do Cebola, mas eu também achava que ia ter uma aventura bacana envolvendo os quatro. Ao invés disso, tivemos uma história romântica envolvendo somente Mônica e Cebola.

E até que foi bom eu adiar a crítica porque tive a chance de ler o ask da Petra e tem muitas explicações do por que as coisas terem saído como saíram. Ela tinha uma idéia (ótima, por sinal), mas a direção da MSP (muito chata e mimizenta) achou que ia ser uma história violenta para uma ed. histórica e foram mudando tantas coisas até dar no que deu. A idéia original da Petra é essa aqui:


Eu não sei de vocês, mas essa história teria sido espetacular. Ação, drama, talvez Cascão e Magali tendo mais destaque e no fim os cebônicos iam ter o tão sonhado beijo da Mônica e do Cebola. Acho que tinha tudo para dar certo porque ia ter uma pegada de jogos vorazes, que é muito popular entre os jovens. Mas nãaaoooo! A direção tinha que estragar tudo!

“Ain, mas tem violência, mimimi-mómómó” . Aff, quanta frescura! Para começo de conversa, eles deveriam ser capazes de adaptar uma história desse tipo para a faixa etária do público, logo não ia ter o mesmo nível de violência que jogos vorazes. Para mim, eles desperdiçaram uma história que poderia ter sido excelente só para enfiarem um provável filho da Mônica e do Cebola no meio.

Outra coisa que incomodou o pessoal é que a volta deles foi um tanto precipitada. A Petra explicou que era para a Mônica ter terminado com o DC a mais tempo, só que foram colocando outras edições na frente e acabou ficando na 96. Mas é para a gente considerar que no tempo da revista se passaram alguns meses, sei lá.

É que o Maurício e a Alice queriam de qualquer jeito fazer com que a Mônica voltasse com o Cebola na ed. 100, por isso apressaram tudo. Eu não tenho nada contra (nem a favor) eles voltarem, mas acho que a direção da MSP deveria ter planejado melhor as coisas.

Quer dizer, ficou estranho a Mônica, de repente, descobrir que ainda tinha sentimentos pelo Cebola e do nada pular no pescoço dele e tudo acabar num beijo. Sim, eu sei que é possível ainda ter sentimentos pelo ex que ficam adormecidos, bláblá, etc. e tal, mas ainda assim ficou estranho porque pareceu para mim que a Mônica vai passar o resto da vida atrelada ao Cebola.

Quando ela desistiu dele e foi namorar o DC, de certa forma eu achei que ia ser a libertação dela, entendem? Achei que ela ia ficar com o coração livre para amar e ser feliz com outras pessoas. Se ela fosse amar o Cebola novamente, seria um sentimento novo que ele foi cultivando. Esperava que as coisas fossem feitas aos poucos, que de forma gradual o Cebola fosse despertando novos sentimentos nela, que ela fosse vendo as qualidades dele, o quanto ele amadureceu e as coisas que os dois sempre tiveram em comum.

Então ia surgindo um clima aqui, uma situação romântica ali até no fim ela acabar vencendo seus medos e aceitado que está amando ele de novo. Sim, eu sei que isso ia ser demorado e que não ia dar tempo de colocar a reconciliação deles na ed. 100, mas acho que teria sido mais natural.

Mas as coisas são o que são. A história já foi lançada e não dá para voltar atrás. Mas eu até que gostei apesar dessas restrições. A introdução foi muito boa e mostrou como é complicado escolher algo. Eu sempre tive esse pensamento de que o que dificulta fazer escolhas não é o medo de escolher errado e sim o fato de que quando decidimos por algo, estamos abrindo mão do resto muitas vezes de forma irreversível.

Quer dizer, no caso da Magali, ela ainda pode voltar para a sorveteria e escolher outro sabores, mas há muitas situações em que isso não vai acontecer. Eu também gostei da parte em que foram mostrando várias alternativas tipo Cebola com Denise (essa todos já esperavam), Carmem com Quim (mas heim?), Mônica gordinha, ou então ela trocando de lugar com a Magali...

Teoricamente existem muitas possibilidades para um mesmo evento, embora nem todas sejam viáveis. Talvez exista mesmo alguma dimensão por aí em que essas possibilidades estejam acontecendo ao mesmo tempo, mas aqui no mundo físico somente uma delas pode ter lugar.

Só que tem uma coisa da qual eu discordei um pouco: sim, o namoro da Mônica com o DC acabou. Mas não acho que tenha sido uma escolha errada. Só porque um relacionamento acabou não quer dizer que não deu certo. Esse namoro serviu para que a Mônica se libertasse do Cebola e dá para ver que apesar de tudo, ela foi feliz com o DC. A própria mãe dela falou que nunca tinha visto a filha tão feliz. E na ed. da estranha história de Sarah vimos a Mônica se cuidando mais, não vivendo mais com o constante estresse que ela tinha com o Cebola. Então, sim, o namoro deles deu certo enquanto durou. Se não deu, foi porque apesar de tudo eles não eram compatíveis.

Quanto a criança, eu a achei bem fofinha. Só que o cabelo loiro ficou bem esquisito. E acho que em poucas páginas já deu para imaginar que era o filho deles tentando juntá-los. Até aí não teve assim muito mistério.

O primeiro contato deles na história foi bem tenso, com direito a coelhadas virtuais e tudo. Só não gostei dos dois se enrusgando um com o outro. Sei lá, tivemos isso durante décadas, acho que já deu né?

Se bem que dessa vez o Cebola procurou ser gentil e ficar bem com ela, pena que a Denise apareceu para atrapalhar tudo. E essa parte deixou muita gente com raiva.

O pessoal acha que a Petra desvirtua a personalidade da Denise, transformando-a em vilã. Sim, na cabeça de muita gente, toda vez que um personagem aparece chato ou comete algum erro, ele se transformou em vilão. Eu sempre acho que levo tudo a ferro e fogo, mas esse pessoal ganha em disparada!

Tá, a Denise foi chata. E daí? Acho que o pessoal se acostuma tanto a vê-la como heroína nas histórias do Emerson que acabam esquecendo de que a Denise nunca foi santa, desde os gibis. Aliás, eu gostei bastante dessa resposta que a Petra deu no ask:


Logo, ela não está desvirtuando a Denise em nada, só mostrando outro lado da sua personalidade que não vemos nas histórias do Emerson porque roteiros diferentes tem necessidades diferentes. O Emerson precisou de uma Denise mais heróica, a Petra precisou dela mais maldosa na história. Mas em momento algum ela foi vilã.

Tá na hora de vocês pararem com essa mania de achar que um personagem está sendo vilanizado só porque não agiu como um perfeito anjo de pureza e bondade. Isso não existe.

Outra coisa de que gostei foi da aparição do Ângelo. Sabe, quando ele apareceu na primeira vez, todo misterioso, cheguei a pensar que fosse um agente da DI.NA.MI.CA. Só que quando vi as botas dele na pág. 26 acabei lembrando da ed. amor de anjo, onde ele usava botas parecidas. Claro que durante um tempo fiquei na dúvida, mas ao longo da história ele foi se revelando.

E pelo menos Magali e Cascão apareceram. Como coadjuvantes, quase secundários, mas apareceram. Foi interessante a Mônica tê-los chamado porque tinha medo de ficar sozinha com o Cebola. E o que a Magali falou tem sentido: duas pessoas não tem que ficar juntas só porque todo mundo acha que deve ser assim. Talvez fosse um recado para os leitores que querem os dois juntos a qualquer custo, qualquer preço, nem que seja na marra. As coisas precisam acontecer de forma natural.

Quanto ao desenvolvimento da história, bem... acho que não dá para falar assim muita coisa. Mônica babando pelo Nick, Cebola com ciúme, a criança tentando juntá-los e criando confusão, Mônica brigando com o Cebola por causa das confusões que o provável futuro filho deles tinha criado... Cebola aos poucos perdendo as esperanças e desistindo... um comecinho de triângulo amoroso na história... algumas partes engraçadas com o Ângelo sofrendo com as confusões que a criança levada criava...

A história até que fluiu bem. A Mônica conseguiu chamar a atenção do Nick, apesar de ter sido pela sua força. Acho que isso meio que lembrou ela e o DC, que também se sentiu atraído por ela por causa das suas peculiaridades. Não sei se teria dado certo com o Nick porque talvez ele a veja mais como heroína de game do que como garota.

Depois de muita confusão, desencontro e Cebola de coração partido, finalmente a Magali resolve colocar alguma lucidez na cabeça da Mônica: a de que ela precisa dar um voto de confiança para o Cebola e não ficar mais pensando que tudo que ele faz tem segundas intenções.

Só que é difícil, gente. Dizem que confiança é que nem vaso: quando quebra, não tem mais jeito. Depois de sofrer tanto, a Mônica perdeu a confiança no Cebola. E como ela ainda sentia algo por ele, estava usando essa desconfiança como escudo para não sofrer mais.

Aí chegamos na tão sonhada reconciliação: quando ela vê que o Cebola realmente amadureceu e já não monta mais esquemas e planos como antigamente, ela resolveu deixar o medo de lado e dar uma segunda chance para ele. E a criança foi salva aos 45 do segundo tempo. Ufa!

O beijo deles foi... bonitinho. Impulsivo, não nego, mas foi bonito. O Cebola levou um tempão para acreditar que aquilo estava mesmo acontecendo. Por um instante cheguei a pensar que ele fosse afastar a Mônica e dizer que não dava mais, não sei. Sim, pessoal, a Mônica não é a única que desconfia do Cebola. Eu ainda tenho aquele pensamento de que ele vai aprontar algo para fazê-la sofrer apesar de ter prometido que não ia mais dar motivos para ela ter medo. Aham. Sei.

O fala Maurício deixou claro que esse namoro ainda vai ter muito drama e mimimi, logo vocês não devem ficar muito tranqüilos. Não duvido nada que eles voltem a terminar o namoro mais para frente. Se bem que eu errei quando disse que o namoro da Mônica com o DC não ia durar muito, talvez eu esteja errada nisso também.

Sabe, eu não fiquei triste nem feliz com a volta deles. Na verdade, eu não senti nada. Há muito tempo eu desisti deles como casal por causa do maldito dramalhão irritante que estavam fazendo com eles. Aí, para não passar mais raiva, acabei deixando de lado. O que a MSP decidir, é isso mesmo.

O meu único medo é que com a volta deles, a gente seja obrigado a tolerar esse maldito drama de novo. Tá, eu sei que o Cebola mudou, blábláblá... mas eu ainda não consigo confiar nele. Por exemplo: será que ele não vai voltar a olhar outras garotas enquanto está com a Mônica? Não vai voltar a babar por qualquer garota bonitinha que aparecer na frente, deixando a Mônica com ciúmes? Nós já sabemos como ele fica diante de garotas bonitas e até agora não foi dado nenhum indício de que ele tenha mudado esse traço na sua personalidade.

Ele pode ter mudado no lance dos planos, já no resto ninguém garante. Sem falar que não sabemos se a Mônica voltou a confiar no Cebola de fato. Até algumas páginas antes do fim, ela estava até paranoica com ele.

Além do mais, a volta deles tão repentina e meio impulsiva meio que me deixou preocupada. Quando eles namoraram pela primeira vez, a coisa toda foi meio que por impulso. O namoro da Mônica com o DC também começou com um gesto impulsivo dela. E agora o retorno deles me pareceu a mesma coisa. Nas duas primeiras vezes o namoro terminou. Quem me garante que a terceira vai ser diferente?

E se não me engano, a próxima ed. vai mostrar algum problema no namoro dele por causa de uma carta que o Cebola vai receber. Eita, já começou o drama!

Sim, pessoal, eu sei que não existe namoro perfeito e que todo casal tem problema. Só que quando fica dramático demais, problemático demais, com muitas brigas, lágrimas e sofrimento, então não é um relacionamento saudável, não importa o quanto o casal se ame. Relacionamento sem problemas não existe, só que com problemas demais fica desgastante, cansativo, acaba fazendo mal. Espero que a MSP consiga explorar o namoro deles sem transformar em algo dramático e doentio.

E espero também, principalmente, que eles parem de dar tanto foco aos dois e se lembrem de que existem outros personagens na revista, tipo Magali e Cascão. Alguém aí lembra deles? Pois é. Há quanto tempo eles não têm uma edição só para eles? Tirando as histórias do Emerson, eles não recebem grande destaque desde a ed. 67. (corrigindo: eles tiveram protagonismo na ed. 87 - sangue fresco. Mas ainda assim são poucas edições).

Acho que o problema maior nisso tudo é a ed. ser mensal. Não dá para ficar desenvolvendo ou ficar dando muito destaque a todos os personagens porque só tem uma história por mês. Doze edições significam um ano inteiro para a gente, por isso não dá para fazer com que os personagens evoluam mais naturalmente, tem que ir apressando as coisas. E também não dá para atender a todos os personagens da turma.

Só que colocar duas ed. por mês não seria viável. Muita gente já tem dificuldade em comprar uma só, duas pode ser impossível. Então acho que não tem muita coisa que se possa fazer a não ser aceitar a TMJ do jeito que está.

De qualquer forma, eu gostei da história sim. Claro que eu preferia que tivesse sido de outro jeito, a idéia da Petra parece excelente e tomara que algum dia ela tenha a chance de desenvolvê-la. Mas isso não quer dizer que essa história alternativa e romântica tenha sido ruim. Vamos ver como as coisas vão seguir daqui para frente. 

Não vamos esquecer do Nick. O que eu achei dele? Bom, por enquanto não dá para dizer muita coisa porque ele não mostrou toda sua personalidade. Sabemos que vai ter um filme da TMJ e ele está sendo introduzido para que os leitores se acostumem com ele. 

Só acho meio chatinho é que a primeira vista, me parece que estão querendo manter um triângulo amoroso, só que dessa vez com o Nick tomando o lugar do DC. Espero que esteja errada, mas tudo leva a crer que ele ainda vai continuar atrás da Mônica e não sei se gostei muito dele para ser namorado dela. Deu para ver que ele ficou fascinado pela força dela, não por sua personalidade ou qualidades. Acho que a Mônica merece alguém que goste dela pela pessoa que ela é, não por sua força sobre-humana ou por ela ser diferente das outras garotas.  

O bebezinho também foi fofo e achei engraçado ver as confusões que ele(a) criou tentando juntar a Mônica com o Cebola. A participação do Angelo também foi legal. Ele participou da ed. 50 e agora da 100, sempre aturando nos bastidores da união dos dois. 

Também gostei do desenho, ficou bem feito apesar de gostar mais do estilo da Roberta Pares. Infelizmente, nem todo leitor gosta do estilo dela, o que é uma pena. 

Muita gente ficou confusa porque vão zerar a TMJ de novo. Bom, se não me engano isso costuma acontecer quando as revistas atingem o n. 100. Por mim não tem problema. Eles não vão resetar todo o universo da TMJ, só vão mudar a numeração mesmo, mas os eventos irão continuar seguindo o tempo da revista.

Bem, essa foi a crítica do mês. Para mais opiniões, confiram o vídeo do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem:


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Recomeçando o abecedário



No artigo anterior eu falei um pouco sobre como aprender um novo idioma e até indiquei um livro bacana que fala desse assunto, espero que vocês estejam lendo porque vai ajudar muito não só para aprender inglês como para aprender outras línguas também.  

Beleza. Como começar a aprender o japonês? Ô língua que assusta, viu? Sim, aposto que muita gente deve ter medo por causa do sistema de escrita. Vocês devem estar pensando que precisa ser gênio no nível asiático para poder aprender. Mas por que esse medo todo? Eu fico me perguntando se as pessoas teriam tanto medo se o alfabeto deles fosse igual ao nosso.

Acho que a resposta é não. Se tivesse o mesmo alfabeto que o nosso, o japonês não seria tão assustador assim. Por outro lado, acho que também não seria tão fascinante.

Por que uma língua de alfabeto diferente assusta tanto? Será que isso a torna tão mais difícil assim? Depende. Nós nos acostumamos com o nosso bom e velho alfabeto latino desde... sempre. Quando vamos aprender outro idioma que usa esse alfabeto, nós meio que ficamos com um pezinho na nossa zona de conforto porque já o conhecemos. Não precisamos aprender todas as letras de novo. Só precisamos aprender os novos sons.

Mas com uma língua de alfabeto diferente tudo muda de figura. Isso significa que nós vamos quer que voltar aos tempos da nossa alfabetização e aprender novamente todo o “abecedário” da nova língua. Não sei se é isso mesmo, mas eu acho que nosso cérebro se acomodou tanto ao nosso alfabeto que quando vê algo diferente, logo começa a espernear porque aquilo não tem nada a ver com o que ele aprendeu ao longo dos anos. É diferente demais e ele não tem informação sobre aquilo.

Tipo, nós já sabemos como escrever “a” em português, mas nosso cérebro ainda não conhece como representar esse mesmo som em japonês. Aqueles novos símbolos não dizem nada, são só rabiscos ou desenhos. Dá aflição, é estranho. Nós vamos ter que começar do zero igual fizemos quando entramos na escola e aprendemos a ler. Primeiro aprender cada letra, depois juntar para formar as palavras, etc. 

Sem preguiça, gente! Quem quiser aprender qualquer idioma com alfabeto diferente do nosso vai ter que passar por isso. Então, para aprender o japonês, temos que aprender o alfabeto primeiro. Saber cada letra e o som que ela representa.

De forma resumida, o japonês tem três sistemas diferentes: hiragana, katakana e kanji. Os dois primeiros são fonéticos, cada letra representa um som (tipo nosso alfabeto, olha que beleza!). Já o kanji é diferente porque ele não representa sons e sim idéias. Para ficar mais fácil de entender, vamos dar uma olhada nesse kanji:
Ele significa gato. Como a gente faz em português? Nós juntamos as letras g-a-t-o para formar um conjunto de sons que formam uma palavra conhecida por nós. Só que com o kanji é diferente porque ele não representa som e sim a idéia de gato.

Já o hiragana e katakana representam sons. O hiragana é usado meio que de forma geral. As crianças são alfabetizadas com ele e também é usado para escrever palavras que não tem kanji (ou tem, mas é pouco usado). O katakana foi feito para escrever palavras de origem estrangeira. 

Cada alfabeto tem 46 símbolos. Opa, já querem sair correndo? Calma aí, vou mostrar para vocês que não é tão ruim quanto parece. Pensem o seguinte: quantos sons possíveis podemos fazer juntando as legras do nosso alfabeto? Lembrem de quando aprenderam a escrever e tiveram que ir decorando como combinar as consoantes com as vogais.

b + a = ba, b + e = be e por aí vai. Depois tivemos que aprender o q (qui-que e também o qua e quo), entre outras coisas. Lembram da confusão de letras que produziam sons parecidos, como “s” com som de “z”, “c” com som de “s”? O “c” antes das letras a-o-u formam um tipo de som, mas antes de e-i formam outro som. O mesmo vale para “s”. E ainda tem a @#*$% do “ç”.

E eu nem falei do som “nh”, “lh”, algumas letras são combinadas com r (br, pr, tr), outras vem com l (bl, pl, gl). Quando usamos “m” mudo ou o “n” mudo? E o “l” mudo, como fica? Tem o “s” mudo também. Ah, e não se esqueçam dos acentos, viu?

Nós tivemos que aprender como aplicar cada regrinha para ter o som certo. Do jeito que eu falo parece bizarro mesmo, só que ficamos tão acostumados que quase nem vemos dificuldade. Mas na hora de aprender foi um tanto assustador sim. As regras pareciam não acabar nunca.

Estou falando isso porque se pensarmos bem, o português é mais complexo porque tem mais regras, mais combinações, etc. que o japonês.

Às vezes penso que um japonês teria mais dificuldade para aprender nossa língua que o contrário. Para começar, o português tem mais fonemas que o japonês e muitos sons que eles não pronunciam. E não basta aprender o alfabeto, tem que aprender a combinar as letras conforme já falei. Imagine o trabalho que um japonês vai ter para aprender isso! Ao aprender japonês, vamos ter esse trabalho sim, só que bem menos se comparado ao português.

O katakana tem os mesmos sons que o hiragana, só muda a forma das letras. Também tem um conjunto novo de sons que foram adicionando porque esse alfabeto foi feito para escrever palavras de origem estrangeira, mas isso a gente vai aprendendo com o tempo mesmo, não precisa decorar tudo agora. Por enquanto, fiquem só no básico.

Não sei se consegui transmitir a idéia, mas a meu ver o alfabeto japonês é mais fácil que o português em vários pontos. Quando decoramos tudo, já sabemos como combinar as letras e conhecemos seus sons. Não é muita coisa, dá para aprender cada um deles em uma semana.

Quêeee? Uma semana? Como assim?

Uma semana, meninos e meninas. Com um pouco de empenho e dedicação, dá para aprender cada um desses alfabetos em uma semana. Uma para o hiragana e outra para o katakana.

Mas como fazer isso? Usando a ferramenta certa. No próximo artigo vou ensinar a vocês como decorar o hiragana e o katakana. Quando pegarem o jeito, o aprendizado vai fluir que é uma beleza.