Nesse mês:

Chico Bento convida a Turma pra passar as férias na roça, mas o que era pra ser apenas uma viagem tranquila.

Imagens e png's

Imagens em boa qualidade e alta resolução para serem usadas em capas, montagens e onde mais sua imaginação mandar.

Jogos

Quebra-cabeças, jogo da memória, caça-palavras, palavras cruzadas e jogos dos sete erros. Hora de divertir e exercitar o cérebro!

Fanfictions

Fanfictions escritas por mim mesma sobre TMJ. Tem romance, terror, suspense, comédia, drama... é para rir, chorar e se emocionar!

Parceria

Unidos conseguiremos venceremos. Vamos formar uma grande família de blogs!

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

A Guerra de Troia em Versos de Cordel




Bem, muitos já devem saber que a MSP está lançando um livro da TMJ sob o título “A Guerra de Troia em Versos de Cordel”. Tá, mas o que são versos de cordel?

É um tipo de poesia que tem um linguajar mais despreocupado, algo mais regional e sem se prender muito a regras. Antigamente os mais letrados torciam o nariz para esse tipo de poesia, hoje é uma arte bastante respeitada. Acho que surgiu lá pelo séc. XVI.

Aqui no Brasil era conhecido como folheto, já que eram vendidos como folhas soltas, mas chamam de cordel porque em Portugal esses folhetos eram pendurados em cordéis ou barbantes, daí o nome literatura de cordel.

Esses poemas falavam de várias coisas diferentes. Eram lendas, histórias de amor, aventura, comédia, etc. Também casos que aconteciam nas redondezas, alguns criticavam a exclusão social e o preconceito, outros falavam de religião, temas profanos... era bem variado mesmo.

Eles foram muito populares e ajudou no surgimento de trovadores. Aqui no Brasil vocês já devem ter visto aquelas duplas de homens tocando viola e fazendo versos, tipo um desafiando o outro. Se não viram, vejam porque é muito legal e engraçado também porque é tipo uma competição para ver quem improvisa melhor. Muitas vezes são uns insultos e provocações, mas tudo na base da zoação.

Para ilustrar, aqui vai um exemplo de uma poesia de cordel para vocês terem uma idéia:

Eu me chamo Zé Limeira
Da Paraíba falada
Cantando nas escrituras
Saudando o pai da coaiada
A lua branca alumia
Jesus, Jose e Maria
Três anjos na farinhada.
Napoleão era um
Bom capitão de navio
Sofria de tosse braba
No tempo que era sadio,
Foi poeta e demagogo
Numa coivara de fogo
Morreu tremendo de frio.

Voltando ao livro, parece que a história vai ser narrada nesse tipo de poesia, só que também será ilustrada. O tema é a Guerra de Tróia, uma treta muito maligna entre gregos e troianos, que ocorreu mais ou menos entre 1300 a.C. e 1200 a.C.

Dizem as más línguas (na verdade, foi o poeta Homero) que um tal Páris foi a Esparta em missão diplomática e chegando lá, cresceu o olho gordo em Helena de Tróia, a esposa de Menelau e a mulher mais linda de todas. Como ainda não tinha o mandamento de não cobiçar a mulher do próximo, Páris levou Helena embora deixando Menelau muito p da vida e isso deu início a Guerra de Tróia. E também tem aquele lance do cavalão de madeira que vocês ao menos já devem ter ouvido falar. 

Bom, acho que a imagem do Cebola e DC na capa quase empalando um ao do outro já dá uma idéia de como é a história. E não é preciso pensar muito para chegar a conclusão de que Helena será a Mônica, mas fico pensando quem será o Menelau e quem será o Páris. 

Até que seria uma bela ironia se Menelau fosse Cebola e Páris fosse o DC, que acabou fisgando a Mônica. Se isso serve para animar os Cebônicos, a lenda diz que no fim Menelau venceu a guerra e pegou a mulher de volta. Não sei se eles serão fiéis a história, mas seria algo interessante de ler. 

Também vai ter outros personagens, pelo que vimos na capa. Imagino que teremos Ângelo como Zeus, Magali e Dona Cebola como deusas (que ainda não sei qual) e o Chico... talvez.... como Incrível Hulk? Bom, eu não conheço nenhum deus da mitologia grega que seja todo verde. Acho que vão aparecer outros personagens da mitologia grega também, o que pode ser legal porque aparecerão como personagens da TMJ.

É uma história de universo alternativa bem legal, ilustrada e que pode ser interessante de ler.
Mas o que não parece nada legal é o preço, que varia entre 40 e 45 reais por um livro de apenas 65 páginas. Tipo assim... quantos leitores vão ter todo esse dinheiro para comprar algo assim? Pois é. Não sei se vai vender muito. Eu mesma não me animei a comprar. 

Como eu gostei bastante da capa, refiz o desenho da luta em tamanho menor e completando as partes que faltavam. Não sei se ficou bom, especialmente o DC já que precisei encaixar um pé e uma perna nele. Também desenhei a Mônica usando como referencia a capa de outro livro “Sonho de uma Noite de Verão.” Tem png e quebra cabeça, espero que gostem. 

Eu já li a ed. 85 e adorei a história, mas as críticas só vão sair lá pelo dia 15 porque, como sempre, tem muito spoiler e não quero estragar a leitura de ninguém. Podem ir se preparando para um texto bem longo, viu?



domingo, 23 de agosto de 2015

Chico bento nº04 - Os Alienígenas do Planeta Tomba



Bom, eu resolvi falar sobre o gibi do Chico Bento separadamente porque senão a crítica da ed. 84 ia ficar maior ainda. Como vocês sabem, essa história tem o início da saga herdeiros da Terra.

Basicamente, foi a história contada meio que na versão infantil, com os aliens rechonchudos, amantes de vacas e engraçadinhos.

Uma curiosidade: na primeira página, vocês devem ter visto uma mulher falando “Oia a cobraaa! É mintira!” quem já foi a festas juninas deve conhecer essa fala, mas ele colocou isso na historinha porque muita gente achava que a serpente ia finalmente aparecer na ed. 84 mesmo ele falando que não ia ser dessa vez. Então, para trolar um pouco, ele colocou essa fala.

Nessa história temos os mesmos personagens da TMJ, até o DC que dessa vez veio de astronauta (talvez uma referencia a presença do Astronauta na ed. 84) e acabou levando um soco por zoar com a fantasia da Mônica. Pois é, nessa época eles nem imaginavam que iam namorar no futuro.

Quem viu os aliens tão assustadores e sinistros pode ter estranhado um pouco a versão fofinha deles apesar de na história eles serem mostrados como as criaturas mais terríveis do universo e os bambambãs da galáxia. E eles também deixaram claro que a intenção deles na Terra era destruir os vestígios das experiências que eles tinham feito no planeta. Bem... levou um tempinho, mas eles conseguiram.

A historinha teve basicamente as mesmas situações que vimos na TMJ, como o encontro da Denise e Rosinha, onde uma errou o nome da outra e passada a tensão inicial, as duas ficaram de boa como ótimas amigas. Também teve o primo Zeca, sem noção e mala sem alça que tinha resolvido pegar no pé da Denise.

Outra situação que se repetiu um pouco foi eles terem perseguido um tipo de explosão e apesar das recomendações do Franja, DC correu feito maluco na direção do perigo igual tinha feito na TMJ. Mas foi bem engraçado quando Denise fez o pedido para a suposta estrela cadente e tudo explodiu.

E pelo menos agora sabemos por que a Rosinha foi abduzida, embora seja algo bem diferente do que imaginamos. Tipo, ela foi raptada junto com uma vaca. Estranho.

A história foi muito boa e divertida, com diversas referencias as ed. 83 e 84. Mas para apreciar e entender mesmo, a pessoa teria que ler a TMJ primeiro. Muitas perguntas tinham respondido. Agora sabemos como a Rosinha foi parar na nave deles, como ela sabia a sequencia dos botões daquele controle e por que era chamada de menina cor. Pois é. Nós ficamos pensando em mil teorias mirabolantes e a coisa era mais simples do que pensamos: ela era chamada de menina-cor apenas por causa do nome, que lembra rosa. Sim, o Emerson é um trolão.

O confronto entre a turma e os aliens também foi engraçado. Claro, é história para crianças, então tudo tem que ser bonitinho e fofinho, especialmente a Mônica chamando o paneta Tomba de Tromba. Sério, muitos leitores já falaram assim.

Nessa história, os aliens revelam que são transmorfos e podem ter a aparência, personalidade e força de qualquer pessoa que quiserem. Isso explica por que o alien que pegou a aparência do DC também pegou sua personalidade, se rebelou, virou uma lagosta gigante e no fim deu ao Astronauta uma dica de como derrotá-los.

Outra curiosidade do Emerson. Não sei se é brincadeira, mas ele disse que as vacas que ajudaram a turma a derrotar os aliens também apareceu na ed. 83. Tá, isso deve ser zoação porque vacas não vivem tanto tempo assim. Uma hora elas vão para a grelha, mas foi engraçado.

Só que ficou uma dúvida cruel: será que os aliens ainda gostam de vacas? Será que, caso destruam a Terra, as vacas serão poupadas? Tá, é zoação, mas acontece que a personalidade deles ficou bem diferente da versão jovem. Deve ser isso que o alien quis dizer na ed. 84 quando falou que eles tinham crescido, pois deixaram de ser aquelas criaturinhas rechonchudas e engraçadas que amavam vacas e dormiam com ursinhos de pelúcia.

Tudo parecia muito bem até que o lesado do Zeca tentar tirar uma foto de todos e acabar apagando suas memórias. Isso explica por que eles não lembravam de nada e com isso, Rosinha perdeu aquele controle que mais tarde o Zé Lelé encontrou.

Uma coisa interessante foi a Denise falando que ela e o Zeca nunca iam namorar nesse mundo. Mas no outro mundo, outro universo, eles quase chegaram a namorar. Pena que ao pisar na Terra ele virou um Zé ruela de novo. Tomara que ele não pegue mais no pé dela.

Bem, o que eu tinha a dizer era basicamente isso. A história respondeu a maioria das perguntas, tirou os fios soltos que tinham sobrado na saga e finalizou a primeira temporada. Claro que ainda não sabemos o que foi feito da serpente, mas isso vai ficar para edições futuras. 

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

TMJ#85: A estranha história de Sarah - Palpites





Depois de várias emoções com a saga de herdeiros da Terra, vamos voltar um pouco para o Limoeiro, só que pelo visto, não será apenas uma história de quotidiano adolescente (ainda bem).

Basicamente, uma nova aluna chega ao colégio e Mônica tenta ser sua amiga, mas parece que essa garota esconde alguns segredinhos interessantes.

Até que estou gostando da idéia porque faz muito tempo que não entra nenhum aluno novo no colégio desde a Isa. Uma cara nova na turma de vez em quando é bom, mesmo que não seja permanente. Afinal, ficar adicionando muitos personagens pode ser problemático porque eles mal dão conta dos que já tem.

Bom, já sabemos que o nome dela é Sarah, mas qual segredo bizarro ela anda escondendo? O título diz que é uma história estranha. Será que ela é alguma criatura mística? Uma pessoa que sofreu uma maldição? Um fantasma tentando resolver um assunto inacabado? Alguém de outro planeta? Fada? Elfo? Anjo? Outra ninfa? Uma bruxa? Feiticeira? Um ser místico não conhecido? Fruto da imaginação de alguém? Uma pessoa que veio só para resolver algum problema e depois irá embora? Será que ela está no colégio se escondendo de algo/alguém? Ou quem sabe em alguma missão? Será que tem algo escondido dentro dela, tipo um poder ou algo do gênero? Quem sabe algo relacionado com luz ou fogo igual mostra na capa? Ou será que no fim é tudo coisa da imaginação da Mônica e ela seja apenas uma garota diferente e nada mais?

Sim, sei que estou atirando para todos os lados para ver se acerto alguma coisa, mas pelo que vi na capa o segredo dela é qualquer coisa voltado para o sobrenatural. Eu até prefiro histórias assim, com temas focados no fantástico, sobrenatural, etc. Coisas do dia a dia não me interessam muito.

Ao que parece, a história será meio centrada na Mônica, mas o Cebola também vai participar e é isso que está deixando os fãs de cabelo em pé. Especialmente os cebônicos. Será que vai rolar clima ou vão agir só como amigos? Será que a Sarah vai ser a chance de o Cebola desencalhar? Sim, é doideira, mas de repente resolveram tirá-lo do ostracismo e arrumar uma namorada para ele. 

E o que o DC vai dizer de ver os dois trabalhando juntos? Normalmente ele não é ciumento, mas o fim da ed. do circo macabro mostrou que ele é sim capaz de ter um pouco de ciúme. Será que eles vão se reaproximar? Será que o namoro da Mônica com o DC vai começar a azedar? Será? Bem, pode ser que isso não tenha nada a ver. Afinal, é sobre a história de uma garota estranha, não um triângulo amoroso.

Agora... já pensaram se ao invés de fisgar o Cebola, ela acaba fisgando o DC? Sim, porque ele gosta de tudo o que é fora do comum e essa Sarah pode ganhar da Mônica no quesito “fora do normal”. Bom... aí é torcer para que o DC realmente goste da Mônica e não a veja apenas como uma namorada exótica que pode ser descartada caso apareça outra mais diferente ainda.

A imagem na capa não é muito detalhada, mas parece que ela é do tipo de garota diferente, se veste do seu jeito, tinge o cabelo de cores não convencionais, talvez seja muito introvertida e não se enturme fácil. Obviamente não irá chamar a atenção dos garotos e pode ser que as meninas fiquem meio de lado com ela, especialmente Carmem e quem sabe Denise (que nas historias dos outros roteiristas é só uma fofoqueira fútil de língua venenosa).

Imagino que por essas razões, Mônica tentará fazer amizade com a moça, para que ela não se sinta tão excluída e deixada de lado. Mas é claro que no início a Sarah pode tentar se esquivar, irá esconder tudo de si mesma, a Mônica irá insistir, investigar, poderá notar coisas estranhas na nova aluna e isso irá atiçar ainda mais sua curiosidade.

Com o tempo, eles vão descobrir o que ela tem de diferente, saberão sua história ou seja lá o que for, talvez tenha ação, eles irão ajudá-la (ou ela é que irá ajudá-los), ou então vão salvá-la de algo... enfim: ela irá cumprir seu objetivo na história e depois disso imagino que irá embora/desaparecer/mudar de colégio/voltar para o lugar de onde veio. No fim os personagens ficarão com saudades, talvez uma lição aprendida, suas vidas serão mudadas, coisas assim.

Pode ser que Mônica e Cebola ajam somente como amigos, sem nenhuma segunda intenção da parte dele, mas existe a chance de isso causar tipo uma briga ou discussão entre ela e o DC que não irá gostar muito de vê-la andando com o Cebola para baixo e para cima. Eu, particularmente, espero que não surja nenhum clima entre os dois, porque isso pode confundir os fãs e dar falsas esperanças. Como falei antes, eu não sei se a MSP pretende juntá-los de novo, mas seja como for, acho que eles deveriam tomar cuidado para que os leitores não pensem que a Mônica ainda ama o Cebola e essa coisa toda. (tipo a cena do beijo que ela acabou não reagindo e com isso muita gente pensou que ela tinha gostado).

Bom, a capa ficou... sei lá. Os cabelos da Mônica ficaram iguais aos das histórias sendo que geralmente eles aparecem de um jeito na capa e de outro na revista. Eu prefiro seus cabelos mais repicados e rebeldes como aparecem nas capaz, não esse capacete dos anos 80. Aliás, todo o traço e estilo ficaram parecidos com os desenhos da revista. Os efeitos ficaram meio chinfrins, o fundo bem pobrezinho, a blusa da Mônica ficou simples demais, um dos braços dela também ficou estranho e os traços dela ficaram inacabados na parte de baixo, como se tivessem esquecido de terminar.

Já a Sarah, o desenhista vai me desculpar mas para mim ela ficou tipo uma Ramona de cabelo azul com um visual meio Velma de Scooby Doo. Acho que pensaram em fazer uma garota gótica e no meio do caminho desistiram.

Bem, vamos aguardar para ver, né? Imagino que a história irá nos surpreender de um jeito ou de outro. Eu apenas gostaria que colocassem um rapaz como novo personagem para variar, mesmo que não seja permanente.

Agora, eu ainda continuo sentindo falta das histórias centradas no Cascão e na Magali. Há quanto tempo eles não têm uma edição só para eles? Tipo assim, eles também são personagens principais, não são? Então por que a direção da MSP está esquecendo deles e pedindo só histórias com Mônica/DC/Cebola? Por que eles não dão destaque a outros personagens secundários também? Sinto falta disso, sabe?

Acho que essa é uma das razões de os leitores gostarem muito das histórias do Emerson. Não é só Mônica-Cebola-DC, os outros personagens aparecem e também tem espaço (tipo a rosinha na ed. passada).

Bom, esses foram meus palpites. Eu também tenho que falar sobre o gibi do Chico Bento que mostra a abdução da Rosinha, mas resolvi fazer os palpites primeiro para poder mudar o visual do blog também.

Eu fiz o desenho da Sarah, mas é claro que não sei se ficou correto, então vou esperar para ver se publicam algum desenho dela para que eu possa ao menos corrigir a cor dos olhos, que não sei se ficou certa.

Até a próxima!

Aqui tem mais palpites do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem. Não deixem de conferir:

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

TMJ#84: Herdeiros da Terra, conclusão - Críticas




E aí, gente? Sim, sei que estou meio atrasada, mas tive uns contratempos bem sinistros nos últimos dias, mas vamos falar da ed. desse mês que foi muito mais sinistra (só que no bom sentido).

Que emoção, viu? Principalmente porque a revista começa com uma imagem bem assustadora da rosinha, com aquela meleca preta escorrendo por todo lado. Confesso que achei bem nojento. E dramático também porque deu para sentir a aflição dela, o medo e a ansiedade de se encontrar com algo que a gente ainda não sabia o que era.

Mas como sempre acontece nas histórias do Emerson, essas passagens tensas são quebradas com momentos de humor. Gente, eu simplesmente rachei de rir quando o Chico falou em dar banho na Rosinha e a Mônica foi logo cortando o barato dele. Sem falar dela arrastando a coitada pelo chão e ainda falando que as meninas são mais delicadas. Foi muita sorte a Rosinha não ter batido as botas, viu?

Depois de o Chico ter explicado para o Nho Lau o que tinha acontecido na ed. anterior, as meninas aparecem falando que a Rosinha já estava bem. Vocês devem ter percebido que essa parte ficou sem texto, o que deve ter atrapalhado um pouco. O Emerson publicou o esboço com o texto completo que estava faltando e assim vocês podem entender, por ex, porque eles não a levaram ao hospital imediatamente e também revelou que a meleca preta tinha cheiro de enxofre, o que também dava uma dica do que estava por vir.


Na ed. passada eu tinha ficado com muitas dúvidas sobre o seqüestro do DC que finalmente foram respondidas nessa ed. e mais uma vez fiquei com vontade de torcer o pescoço dele quando ele falou que tinha ido ao QG dos aliens por vontade própria. Sim, o DC sendo o DC. Mas dessa vez tinha complicado a vida de todo mundo. Ou não?

A parte da Denise e do Zeca também foi hilária e cheia de humor, com ele xavecando e ela sempre dando o fora. Confesso que cheguei a ficar com pena dele até ler a parte onde ele age como filhinho de papai que troca de carro a cada seis meses e ainda trata a Denise como se fosse Maria gasolina. E a parte dos dois brigando? Hahaha, ficou parecendo comentários de facebook. Ô sujeitinho mais Zé ruela, pelamordeDeus!

Apesar de curtinha e sem expressão, eu também gostei da participação do Zé Lelé, especialmente da parte onde a Mônica explica coisas complicadas sobre o Drone do Franja e ele faz aquela cara de bobo: “vô fingi que eu intendi”.

Ao longo da história, confesso que estranhei bastante as atitudes do DC, tipo querer ficar em casa ao invés de sair e explorar com os outros. Se bem que a explicação de ele ter ficado preocupado com a Rosinha me convenceu (hahaha, doce ilusão!).

Outra coisa que gostei foi o destaque dando a Rosinha, colocando-a tipo como o centro de grande parte da história. E a participação dela foi dramática ao aparecer na sala depois que o Franja explicou as propriedades estranhas da gosma preta, que parecia não existir.

Nota: será mesmo que a Denise está certa? Será que a Mônica só atrai coisa ruim? Meldels, coitada, não é culpa dela. Bom, não de todo, sei lá. 

Essa história é algo que precisamos ler de vagar e com cuidado, especialmente nas explicações sobre a relação entre aliens e civilizações antigas. Muitos suspeitam que eles realmente entraram em contato com seres de outros mundos. E se olharmos bem, algumas imagens e desenhos que eles faziam eram mesmo estranhas porque não pareciam humanas. Será mesmo que tem algo a ver ou é só nossa imaginação? Tipo aquele lance de olhar para uma nuvem e ver uma forma nela sendo que essa forma não tem significado nenhum? Mistéeeerio!

A alternância entre as falas do Franja explicando as fotos do drone e as da Rosinha preenchendo lacunas que ninguém poderia saber foi muito intensa, cheia de tensão e suspense. Sério, o coração foi só acelerando e eu fiquei lendo de olhos vidrados sem prestar a atenção em nada. A Rosinha cada vez mais sinistra e misteriosa, falando em chamado da serpente, a marca de IOR voltando para assombrar geral e a cereja do bolo foi ela desenhando essa mesma marca na parede do quarto com a meleca preta. E depois... Boomm! A nave a leva embora deixando todo mundo arrancando os cabelos. Meldels, mata nóis não!

Sem falar que a participação do Astronauta foi uma surpresa para mim. Quer dizer, acho que ele é um personagem que eu não esperava ver nas histórias do Emerson, não sei por que. Mas enfim, isso foi para mostrar que a turma tem bons contatos e um celular que liga até o fora da Terra enquanto a maioria não pega nem na varanda de casa.

Mais uma vez, fiquei meio ressabiada com o DC e sua mudança repentina de atitude, pois normalmente ele seria o primeiro a entrar na nave para ir ao espaço. Também estranhei o receio dele de ir salvar a Rosinha e muitos devem ter estranhado também, aposto. Até a Mônica pareceu meio decepcionada com ele.

Agora, hilário foi o Zeca tentando mandar na Denise. Tipo assim... um Zé ruela tentando dar ordens para a garota mais forte, segura e independente de toda a turma? Nem em um milhão de anos e adorei como ela mandou a real nele. Sem falar que a briga dos dois mostrou muito bem a atitude de muitos homens diante de uma mulher que não aceita abaixar a cabeça para eles e nem seguir suas ordens: ser chamada de feminazi (sim, porque na cabeça de muita gente, lutar por direitos iguais é a mesma coisa que propagar racismo, eugenia e provocar a morte de 5 milhões de pessoas).

Voltando a história, esse lance de universo inferior me despertou muito a curiosidade. Tipo assim, como seria esse universo? Teria vida inteligente além dos aliens-chupa-cabras?

Voltando aos aliens, eu nem imaginava que eles eram uma raça de transmorfos apesar de em uma história do gibi eles terem assumido a forma do Cascão (inclusive seu medo de água).

Ah, vocês viram que eles mostraram as fases deles? Inclusive a que apareceu na ed. 3 da TMJ apesar de essa história ter se passado em outra dimensão. Eles começaram baixinhos e engraçados e terminaram como uma barata gigante do mal com pernas de jumento (se bem que para mim parece um pernilongo, que é mais do mal ainda).

Claro, somente seres do mal para deixar o planeta tão poluído e desolado. Fala sério, e eles ainda querem infestar a Terra? Ainda bem que foram expulsos daqui e tomara que não voltem nunca mais. Já chega os seres humanos para emporcalhar tudo.

Nota n. 2: realmente gostam de colocar o Chico sem camisa. Bem, eu é que não vou reclamar, né?

A visão daquela torre em forma de... sei lá, duas pirâmides coladas uma na outra e cheias de tentáculos foi bem assustadora e legal. Acho que tirando os tentáculos seria um lugar bacana para visitar.

Mas agora começa a parte em que eu tipo levo um susto: quando acham um sujeito pendurado por correntes com ganchos nas pontas. Gente, é sério, eu sou meio distraída e nem imaginei que era o DC, já que não dava para ver o rosto e ele estava sem camisa. Sem falar que eu distraí com as correntes porque elas lembraram um pouco aquele filme Hellraiser. No filme, essas correntes ficavam no inferno e eram usadas para torturar as almas.

Só que a surpresa maior foi quando eles descobriram que o sujeito pendurado era o DC. Tenso, muito tenso. É aquela hora em que a gente pensa: danou-se. Sim, porque se o DC estava pendurado nas correntes, quem estava na nave com o astronauta e o Franja? Boa coisa não podia ser. E não era.

À medida que o falso DC foi se revelando, eu fui pensando: “lascou, lascou, lascou!”. Bem... não foi essa a palavra, mas eu não quero colocar coisas impróprias nesse blog. Mas por outro lado, muita coisa foi explicada: como ele conseguiu lutar contra o alien tão bem e espantá-lo, como ele foi capaz de ouvir e entender o idioma deles, porque ele não foi aprisionado e pode aparecer para salvar a Rosinha, sua relutância em ir ao seu resgate... muitas coisas explicadas em poucos quadrinhos. Isso sim é um espaço bem aproveitado!

Foi bem interessante o alien ter assimilado a personalidade do DC a ponto de questionar a si mesmo e sua própria raça. Isso mostra que, talvez, eles não sejam essencialmente maus e sim que estão sendo influenciados. Quer dizer, ele falou que quanto mais perto da serpente, menos ele conseguia agir por conta própria e era obrigado a seguir suas ordens, então isso faz pensar até que ponto vai o livre arbítrio deles. Serão eles os vilões ou apenas criaturas que apenas seguem uma força maior sem poder se libertar?

E como se as coisas não estivessem tensas o bastante, ainda aparece a Rosinha toda bizarra, de pescoço comprido e vestida de sombras. Gente, meu coração não aguenta não! ainda mais com a Denise dando uma de louca e levando uma chicotada no traseiro.

Nessa hora, a Rosinha fala que eles estão num tal de Quadrivium. Alguém aí consegue pronunciar rápido 3 vezes? E o que significa nesse troço? Em latim, quer dizer quatro caminhos, ou o lugar onde quatro caminhos se cruzam. E também era o nome dado ao conjunto de quatro matérias ensinadas nas universidades helênicas: aritmética, geometria, astronomia e música. Antes de aprender essas matérias, tinha um tal do trivium que ensinava gramática, lógica e retórica. Eram as sete artes liberais e no fim tinham as disciplinas teológicas.

Santo Agostinho falava que o trivium e o quadrivium eram necessários á compreensão e ensino das escrituras. Não sei se isso tem realmente alguma coisa a ver com a escolha do nome ou se o Emerson só escolheu porque achou a palavra bonitinha. Mas acho que li em algum lugar que essa era uma das quatro torres do firmamento. Uma torre bizarra e esquisita, se querem saber.

Enquanto isso, Franja e Astronauta estavam passando o maior aperto com o falso DC que tinha se transformado numa barata gigante assassina. Essa parte também ficou sem os diálogos. O Emerson falou que essa parte mostrou que:

1 – O raio mais poderoso do universo não podia matar o bicho.
2 – O astronauta não queria matar, mas não teve outra alternativa. Isso foi para mostrar que matar não faz parte da personalidade dele e sua filosofia heróica. 



Sem falar da ironia poética de o bicho não morrer com o raio mais poderoso do universo, mas foi eliminado pela luz, algo aparentemente inofensivo. O diálogo que eles tiveram com a criatura também é cheio de revelações, como todos eles serem criaturas mortas, apenas sombras do passado (isso parece familiar?) que só existiam porque a serpente queria. Será que, em algum passado muito distante, eles eram uma raça pacífica que por algum motivo foi corrompida pela serpente?

Seria essa a tal queda e expulsão do paraíso? Afinal, a bíblia diz que Adão e Eva foram expulsos do paraíso por causa de uma serpente. Hum... coincidência? Sei não... talvez tenha acontecido algo semelhante com eles. Pode ser que eles tenham vivido na Terra, mas por algum motivo foram corrompidos, passaram a representar uma ameaça ao planeta e por isso foram chutados para fora.

E como se não tivesse criaturas bizarras o suficiente, ainda tem aquele bicho que parece uma cobrona enorme. Sério, eu cheguei a pensar que ele fosse mesmo a serpente. Uia, será que finalmente a margarida apareceu? Não, não foi dessa vez. Ele era só tipo o secretário dela. Magoei... mimimi...

É nessa hora que eu fiquei meio enojada ao saber que a meleca preta era sangue de serpente, sombra líquida feita com o lamento das almas corrompidas, algo assim, e que deixava as pessoas bizarras, sinistras e sem lembrar de quem são. Mas calma, as coisas ainda vão piorar porque aquela torre era só a recepção. O buraco era mais embaixo, literalmente.

Quer dizer, eu não imaginava que a serpente ficava embaixo de um buraco enorme, mas quando o vídeo do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem mencionou o inferno de Dante, acho que fez sentido já que fala dos nove círculos do abismo, ou nove círculos do inferno como aparece na Divina Comédia. Vocês podem saber mais aqui: https://pt.wikipedia.org/wiki/Inferno_%28Divina_Com%C3%A9dia%29

Aqui também tem uma foto de um lugar chamado Quinta da Regaleira, em Portugal. Dizem que foi construído como referencia a Divina Comédia. O local tem uma escada em espiral sustentada por colunas esculpidas até o fundo de um poço ligado a cavernas labirínticas que levam a um jardim aterrador ladeado por um lago. Claro que o do Planeta Tumba (outra surpresa, devo mencionar, mas fez bem mais sentido) é mais assustador, já que tem uma serpente demoníaca no fundo. 



Acho que eles nunca ficaram tão perto da serpente antes, bem perto. Ainda bem que ninguém caiu no buraco. Felizmente o Astronauta apareceu, impediu a Rosinha de matar todo mundo. Pancadaria, explosão, gritaria, o Zeca pagando mico para salvar a Denise (um alivio cômico bem vindo), todo mundo fugindo, as criaturas sinistras se juntando para arrebentar geral... tanta coisa que fica até difícil falar de tudo separadamente.

Pelo menos descobrimos mais ou menos o que são essas criaturas, que são tipo coisas mortas. O Franja diz que são zumbis super inteligentes infectados por vírus, mas nós sabemos que ele tem a tendência a querer explicar tudo cientificamente, então acho que vou ficar com o lance de povo amaldiçoado e corrompido pela serpente que se acha top das galáxias, elite da criação.

E, puxa, finalmente um beijo entre a Denise e o Zecão. Bem fofo e romântico, né? Pena que ele estragou tudo no final sendo um tosco machista. Homem assim merece viver no ostracismo por toda eternidade. Pronto, falei.

Tudo terminou bem, eles usaram a luz do sol para matar geral o povo das sombras, acabaram com a serpente (será?), voltaram ao nosso universo e tudo ficou de boa. Ainda ficaram algumas perguntas não respondidas. Uma delas foi: por que só a Rosinha voltou a ser humana ao ser atingida pela luz enquanto os outros queimaram? Será porque eles estavam assim há muito tempo e perderam sua verdadeira forma?

Eu não acho que a serpente tenha sido eliminada, não tão fácil assim. Uma hora ela vai dar o ar da graça para assombrar a turma de novo. E assim acaba a primeira temporada da supersaga das sombras do passado. Mal posso esperar pela próxima, viu?

A história foi muito boa. Acho que com umas dez páginas a mais teria ficado bem melhor, assim poderia caber mais explicações, mais ação e desenvolvimento. Por causa do limite de páginas, algumas coisas precisam ser mais espremidas e corridas. Ainda assim gostei bastante, teve ação, mistério, terror no espaço, a participação de mais personagens ao invés de focar só em Mônica-Cebola-DC, pancadaria, barraco e explosão. Muita explosão, e baratas gigantes feitas de sombras.

Agora é esperar pela próxima temporada e já estou ansiosa. Bom, eu já escrevi demais, acho que vocês vão levar uma hora inteira para ler tudo. Foi mal, acontece que para uma história como essa não dá para escrever pouco e eu ainda nem falei do gibi onde tudo começou, mas isso vai ser um post separado para não ficar grande demais.

Eu colori a imagem da revista onde aparece o Quadrivium e também fiz um png caso alguém queira usar como capa de fanfic, montagem ou coisa parecida. Espero que gostem! E para quem quiser ver outra opinião, confiram o vídeo do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem:


domingo, 26 de julho de 2015

CBM#22 - Bravura indomável: críticas




Vocês devem estar se perguntando por que eu ainda não postei a crítica da ed. 22 do Chico Moço. Bem... vou ser sincera... a história não me empolgou muito, só isso. Sei que muita gente deve ter gostado, mas para mim ficou uma coisa muito sem sal.

Acho que a única coisa que me chamou a atenção foi o novo estilo de desenho, que ficou um pouco mais puxado para o mangá. Disso eu gostei bastante. O novo traço dos personagens, as caretas e expressões engraçadas que eles fizeram ficaram ótimos e acho que deviam manter esse estilo. Para ser sincera, deviam usar esse mesmo estilo na TMJ também, ia ficar legal.

Fora isso, o que sobra? Uma história clichê de rapaz fazendo amizade com cavalo xucro e rebelde que até então ninguém consegue domar. Tem um sujeito ganancioso que quer vender o cavalo, uma aventura que o mocinho e o cavalo precisam enfrentar juntos, a amizade e confiança se fortalecendo pouco a pouco e no fim os dois vencem.

Pelo menos o Bravo conseguiu ser um cavalo ao mesmo tempo rebelde e engraçado com suas caretas. Deram uma boa personalidade para ele e a parte em que ele vira um cavalinho de brinquedo com medo de atravessar o rio foi muito boa, assim como o Chico atravessando com ele dentro de um barco.

Interessante foi o Genesinho ter aparecido um pouco mais na história, chato como sempre e até falaram um pouco da Ana. Afinal, como ela anda? São quantos meses de gravidez? O bebê nasce ou não nasce? E quando é que vai terminar as férias do Chico? Caramba, as férias dele estão durando tanto quanto as do Phineas e Ferb.

Também gostei do coronel, que foi simpático com todos e nem parece que foi ele quem criou aquela peste em que o filho dele se tornou. E eu também fiquei surpresa ao ver o Genesinho finalmente tomando um pouco de vergonha na cara ao mostrar o quanto estava com medo por se tornar pai. Quer dizer, ele até mostrou um pouquinho seu lado legal, talvez cansado de tantas futilidades. E foi a primeira vez que vi o Chico perdendo o controle e meio que agredindo alguém.

Bem, claro que no fim tudo se resolveu, o Chico conseguiu a confiança do Bravo (que até foi picado por uma cobra para protegê-lo), entregou o colostro para o potrinho, o Bravo foi tratado da picada de cobra e sobreviveu e no fim o coronel resolveu dar o cavalo ao Chico, deixando Genesinho zangado porque queria passar o coitado no cobre. Fim.

E foi exatamente esse fim que me deixou assim meio de lado. Quer dizer, o sujeito pareceu ter tomado vergonha na cara e no fim decide que quer se vingar do Chico e do Bravo só por causa de uma venda malsucedidas? Tipo assim... Nada a ver! O Genesinho meio que se entendeu com o Chico numa página e em outra já estava pensando em lhe dar punhaladas nas costas?

Se eles queriam manter o vilão, deveriam ter planejado melhor a história para evitar essa incoerência de o personagem avançar num momento e, do nada, recuar dez passos em outro. Mas tranquilo, pelo menos não perdemos um vilão. E a próxima história até que promete ser legal. 



Parece que vai ter um pouco de sobrenatural, briga, treta e confusão. Pelo menos eu espero, né... só fico me perguntando se isso vai ser antes ou depois da história dos herdeiros da Terra, mas acho que não vem ao caso. Pelo menos nessa história nem consigo imaginar o que irá acontecer. Tipo, eles começam soltando uma inocente pipa e terminam no meio de um lance bem sinistro. Então vai ser uma boa história.

Por hoje é só, pessoal. Com vocês eu deixo um quebra-cabeça da Denise e do Chico. Também tem png. 



Para ouvir outra opinião da história, confiram o vídeo do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem:



Recommend on Google