Críticas e palpites sobre as histórias

O que eu acho das histórias, críticas e opiniões. E eu falo mesmo, sem dó nem piedade.

Galeria de PNG's

Várias imagens com fundo transparente e em alta resolução. É só usar a criatividade.

Quebra-cabeças

Para quem gosta de exercitar o cérebro.

Minhas fanfictions

Histórias que eu escrevo sobre a TMJ. Tem emoção, aventura, romance, suspente, mistério e até um pouco de terror. Para quem quiser algo diferente do que aparece nas revistas, não perca tempo!

Parceiros e parceria

Conheça os parceiros do blog e também participe da parceria.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Fofoca do dia!

Muita gente estava reclamando porque o Cebola tem agido como um zé ruela ultimamente. Sabe, pode até ser impressão minha, mas ele não fica tão chato quando aparece nas histórias do Emerson. Na verdade, ele fica até legal.

Então, para quem gostaria de ver um Cebola menos pé no saco, aqui vai uma boa notícia. Parece que uma das sagas do Emerson vai ser centrada nele. Normalmente eu diria que é um desperdício de edição, mas como falei antes, o Cebola fica legal nas histórias dele, então dessa vez boto fé de que a saga vai ser boa. Olhem o print screen da conversa:





Ai ai... pena que só vai sair mais lá para o fim do ano... mas pelo que falaram, serão quatro edições dele, então acho que devemos ficar felizes.

TMJ#68: Jogos Mortíferos - Críticas

É impressão minha ou muita gente ficou de cabelo em pé por causa dessa edição? Ah, sim! Aposto que essa história despertou vários tipos de sentimentos nos fãs. Uns amaram, outros odiaram. Agora parece que a rivalidade entre os pró-Cebola e pró-DC está mais acirrada do que nunca!

Então vamos começar. A turma vai participar de um reality show com o tema de terror. Vários participantes ficam presos numa casa mal assombrada e vão sendo eliminados pouco a pouco até ficar um só. O tema não deixa de ser legal, porque gosto de terror. Mas para botar mais tempero e pimenta, surge a rivalidade entre Cebola e DC pela Mônica. Uma rivalidade bastante esperada pelos fãs.

De um lado, o Cebola fazendo suas cebolices de sempre, zoando com a Mônica, chamando-a de medrosa e se comportando como um Zé ruela. Nada de novo. De outro, o DC sendo gentil, incentivando e apoiando.

Há quem reclame que estão colocando o Cebola como um antipático e idiota. Para ser sincera, nem achei que ele foi tãaao chato assim nessa edição. Tanto que não cheguei a ficar com raiva dele. Em minha opinião, ele já foi bem pior em outras histórias. Pode-se dizer que o nível de chatice dele estava normal.

Claro que analisando friamente, foi um tremendo vacilo chamar de medrosa uma pessoa que arriscou a própria vida se colocando na frente de um raio mortal para salvá-lo mesmo depois de vê-lo se derretendo todo por outra mulher (Ed. 66). Olhando por esse lado, ele agiu pior do que um moleque e mostrou que não conhece a Mônica.

Devo dizer que eles deram um rumo legal a história, inclusive acrescentando situações engraçadas como a aula totalmente maluca do Licurgo falando suas sandices de sempre. E aposto que muita gente tentou entender o que ele estava falando, né? Agora, será que alguém aí ficou com medinho imaginando como seria fazer prova surpresa no escuro? Isso sim é terrorismo psicológico!

Para quem não reparou, a apresentadora Elzira é meio que uma referência a Elvira, a rainha das trevas. Se bem que nesse caso adaptaram só o nome, já que a Elzira também foi feita para lembrar um pouco a Viviane. Aliás, foi uma boa sacada criar essa dúvida: será que é só um reality show ou uma armadilha da bruxa doida para pegar todo mundo? Confesso que cheguei a pensar nisso.

Outro momento engraçado foi o Cebola querendo ir para cima do DC por causa da Mônica. Ou teria sido só ego ferido? Não tem como saber, mas ficou engraçado os rapazes segurando o Cebola para ele não ir para cima do DC. É um milagre ver ele sofrendo um pouco de ciúmes para variar, já que na grande maioria das vezes é só a Mônica que sofre.

Ainda na sala de aula, confesso que não entendi muito bem o que o Titi estava fazendo no meio da turma. Ele não é mais velho? Então por que está na mesma sala que os outros? Só mesmo se for para compor a história, mas ainda assim ficou esquisito.

Dentro da casa, o restante da história teve como pano de fundo típicos clichês de filmes de terror. Quem assiste essa modalidade de filme deve conhecer todos eles. E claro que DC já tinha percebido tudo isso, porque é capaz de pensar fora da caixa e enxergar além do óbvio.

E qual é o clichê n. 1 dos filmes de terror? A meu ver, é quando o grupo se separa. Típico, clássico, previsível. Os que ficam isolados sempre se dão mal. Tirando, é claro, os desenhos do Scooby Doo. Mas na boa.... ver um bicho feio e não gritar é meio difícil, não? Eu teria esgoelado feito doida se o Zé Machado aparecesse.

E confesso que fiquei com peninha da Denise. Ela custa a ter uma chance com o Titi e quando finalmente rola um climinha, o tal Zé Machado aparece e corta a onda dela? É pra acabar mesmo!

Também é impressionante uma pessoa ver um livro estranho e mesmo a capa estando escrita com sangue falando que o demônio vai puxar o pé dela de noite, a criatura sempre abre pra ler. Nunca falha.

Enquanto os candidatos vão sendo eliminados de clichê em clichê, aos poucos a tensão entre o DC e o Cebola aumenta porque apesar de toda sua segurança e conhecimento sobre clichês, o DC não consegue evitar que os amigos sejam eliminados e isso faz sua confiança diminuir.

E, como não podia deixar de ser, vemos a diferença com que cada um trata a Mônica. Apesar de tudo, DC se preocupa com ela e tem a real intenção de protegê-la. Cebola quer apenas se exibir e posar de bonzão, mas sempre zoando quando pode. Mesmo quando tenta se fazer de protetor e solidário, ele acaba sendo antipático. Mas isso é típico dele, que costuma se mostrar egoísta e mais interessado em se exibir e inflar o ego do que ajudar as pessoas.

Finalmente, quando ele é eliminado, vemos a Mônica no auge do medo se descontrolando e saindo correndo da casa. Outro clichê: a pessoa corre mais do que o papa-léguas enquanto os zumbis correm menos que lesmas, mas elas sempre tropeçam e são alcançadas. Só que ela estava apavorada demais para pensar racionalmente e por isso o DC faz o sacrifício máximo para ajudá-la: agir dentro do senso comum e se encaixar nos clichês de filme.

Isso mostrou que a Mônica é mais importante para ele do que o hábito de contrariar. Mas no fim, ela reúne coragem e enfrenta o perigo de frente e é aí que o Cebola, então disfarçado de zumbi, amarela. Claro, é muito mais fácil ser assustador quando a pessoa já está com medo, né?

É aí que a coisa começa a ficar realmente emocionante. Tudo parecia caminhar para um final previsível, mas a atitude infantil e idiota do Cebola teve um preço muito alto. Finalmente a Mônica beijou o DC, o tão esperado beijo, e tudo virou do avesso e de cabeça para baixo.


Muita gente deve ter pulado de felicidade, outros devem ter espumado de raiva e quase tacado fogo na revista. Bom, eu confesso que gostei. Depois do Cebola sendo um vacilão por 68 edições, finalmente a Mônica tomou um pouco de vergonha na cara, né? E eu dou toda razão para ela. Muita gente deve ter achado errado, porque ela tem um compromisso com o Cebola, blábláblá. Mas na boa: que compromisso? A meu ver, eles não têm mais compromisso nenhum. Raciocinem comigo:

Quem leu a Ed. 63 deve lembrar da Sofia falando que a Penha estava em coma por um ano. Se entre as Ed. 52 e 63 passou um ano, quanto tempo se passou entre as Ed. 34 e 68? Certamente mais de um ano. Talvez um ano e meio. Tá. E daí?

Daí que o Cebola está enrolando a Mônica há mais de um ano. Vocês acham normal uma pessoa enrolar a outra por todo esse tempo sem tomar nenhuma atitude? Sejam sinceros: alguém aqui aceitaria esse tipo de coisa? Pois é. Além de não ter feito praticamente nada para ficar bem com a Mônica e reatar o namoro, o Cebola ainda xavecou outras garotas na frente dela, se apaixonou por games e agiu como um perfeito vacilão.

Ele prometeu que ia derrotá-la para reatar o namoro, mas não cumpriu a promessa. Não chegou nem perto disso. Logo, se ele não honrou o compromisso que tinha feito com a Mônica, então ela não deve mais nada a ele. Compromisso só existe quando as duas partes estão envolvidas, mas nós não vemos quase envolvimento nenhum por parte dele. Só, claro quando as coisas ficam feias, mas depois tudo acaba na mesmice de sempre.

Na Ed. 66 ele falou que tinha encontrado o tesouro mais valioso do universo e não ia perdê-lo de jeito nenhum. Jacaré cumpriu a promessa? Nem ele!

É por isso mesmo que eu até gostei do que aconteceu mesmo não torcendo pelo DC. Apesar de ele ter sido muito legal e maduro, mesmo que ele seja o rapaz perfeito, infelizmente eu não tenho como torcer por ele. Por quê? Simples: todos nós estamos carecas de saber que a Mônica vai ficar com o Cebola. Logo, torcer para que ela fique com outro rapaz é pura perda de tempo e energia. Não há pelo que torcer, tudo está determinado.

Colocá-la com outro rapaz vai frustrar a grande maioria dos fãs que torcem por esses dois. Tipo, para essas pessoas, não importa o que o Cebola faça, diga ou como se comporte. Ele pode beijar o bairro inteiro na frente da Mônica, pode trair, xingar, humilhar e se bobear até bater nela, mas esses fãs vão sempre torcer por ele. E como são esses fãs que compram as revistas e fazem o dindin entrar na conta bancária, seria um suicídio financeiro a MSP colocar a Mônica definitivamente com outro rapaz.

Sem falar que fazer isso seria jogar fora a Ed. 50. Aliás, a meu ver essa edição foi um tiro no pé porque agora eles estão definitivamente presos a esses dois. Depois de terem mostrado o casamento da Mônica com o Cebola, eles não podem colocá-la com outro rapaz. Querendo ou não, os dois estão atrelados por toda eternidade e eles não vão poder colocá-los com pares diferentes mesmo que queiram muito fazer isso.

O mesmo vale para a Magali e Cascão. Depois de colocar o Cascão casado com a Cascuda e até com um filho na Ed. 50, agora eles não tem como fazer com que ele fique com a Magali sem causar mal estar entre os fãs. Se tentarem, todo mundo vai falar

“ain, mas e a Ed. 50? Como fica? Não valeu nada? Como fica?”

Entendem onde quero chegar? É por essa mesma razão que torcer pela Mônica e Cebola é perda de tempo também. É tipo torcer para que o sol nasça no dia seguinte. Isso vai rolar de qualquer jeito, mesmo que aconteçam alguns tropeços no meio do caminho. Não há pelo que torcer, não há o que esperar. Sem dúvidas, sem incertezas, medo ou ansiedade. Só o eterno drama que já conhecemos e só serve pra encher lingüiça.

É por isso mesmo que quem é fã de Mo/DC, melhor aproveitar enquanto dure, porque isso não vai durar muito tempo. Pode ser que no fim da Ed. 69, tudo continue a mesma coisa, ou talvez dure mais umas duas ou três edições, não mais do que isso.

Mas ainda assim fiquei feliz com a surpresa. Eu pensei que tudo ia acabar na mesmice de sempre e errei. Tudo bem, eu prefiro errar e ser surpreendida do que acertar e ficar morrendo de tédio com a mesmice de sempre.

Bom, essa foi a crítica do mês. Quem quiser ver outro ponto de vista diferente, pode conferir esse vídeo no youtube:

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Magali... maléfica... Magaléfica

Quem leu minha fanfic Universo em Desequilibrio vai entender esse desenho. Quem não leu, não quero tirar a graça.

Esse desenho foi feito por uma leitora do blog, a Laís Lyra Hatencia e eu adorei. Ela ficou realmente com cara de perversa. Valeu, Laís!


quarta-feira, 26 de março de 2014

Eu acho que vocês vão gostar de ver isso


Eu estava olhando os comentários do meu blog e vi um da leitora Jujuba, dona do blog Baú de Rabiscos me mandando o link para uma prévia da Ed. 68, na visão dela. Acho que vocês vão gostar de ver isso, é muito legal.


Querem ver mais? O resto está aqui: Baú de Rabiscos - Prévia da ed. 68

TMJ#68 - Jogos mortíferos: Palpites




O palpite está atrasado, eu sei. Acontece que tenho andado envolvida em uma espécie de projeto pessoal que tomou boa parte do meu tempo livre. Mas, como ainda tenho compromisso com os leitores do meu blog, não posso deixar de publicar.

A Ed. do mês já começa chamando atenção por causa da capa: o DC com aquela cara de safadinho segurando a Mônica nos braços. Se bem que uns acham que é cara de arrogante, outros dizem que é segurança... aí vai da interpretação de cada um. Só sei que esse é um dos melhores desenhos que fizeram dele.

A sinopse diz que o Cebola e DC vão disputar o coração da Mônica enquanto ficam presos num reality show de terror. Bem... será que o título “jogos mortíferos” lembra alguma coisa? Será que vai ter o Jigsaw bolando aquelas armadilhas bem sangrentas para os personagens? Ai ai... agora estou sonhando acordada. Vamos voltar para a realidade.

Eu não sei dizer como eles vão parar nesse reality. Talvez sejam convidados ou caiam sem querer mesmo. Imagino que deve ser tipo uma casa assombrada, cheia de armadilhas e caras fantasiados tocando terror na galera. É provável que todos da turma participem e acabem sendo eliminados um a um, sobrando a Mônica, Cebola e o DC. Esses dois últimos vão talvez tentar impressioná-la de algum jeito.

Pode ser que eles precisem desvendar enigmas, vencer desafios, procurar coisas ou derrotar os atores fantasiados.

Fora isso, o que mais poderia acontecer? A única coisa que me preocupa é o eterno mimimi da Mônica com o Cebola. Será que vão colocar os dois discutindo pela 125.874.698.344.996.526.987ª vez? Tomara que não, isso ficou enjoativo demais.

Apesar de acreditar que a história vai ser boa, divertida, com uma boa dose de suspense e terror, confesso que é meio chato saber qual vai ser o final.

Quer dizer, eu não sei todos os detalhes do final porque não sou madame Creuzodete, mas todos nós sabemos que no fim, a Mônica não vai ficar com nenhum dos dois. Ela não vai ficar com o DC porque seria um passo ousado demais para a MSP colocá-los juntos. Se algum dia resolverem fazer isso, não vai durar nem meia edição.

Claro, ainda existe a chance de a Mônica querer ficar com o DC, mas ele dar outro fora nela só para contrariar geral. De qualquer forma, com ele ela não fica porque isso vai estragar a infância de muita gente que quer vê-la com o Cebola. Tá, eu sei que é esquisito uma pessoa achar que a infância dela vai ser toda arruinada só porque um casal fictício não ficou junto. Mas é o que alguns sentem e devemos respeitar.

Com o Cebola ela também não vai ficar por causa da eterna neura dele em derrotá-la. Eu sou da opinião de que eles só vão ficar juntos na 100ª edição, então não se encham de esperanças agora porque não vai ser dessa vez.

Então, tá. Cadê o suspense? Nesse caso em particular, não vai ter nenhum. Mas ainda assim acho que teremos uma boa história. Afinal, muitos devem esperar que toquem nesse “triângulo” amoroso, ver o Cebola se descabelando de ciúmes para variar e fazendo algum esforço para ficar com a Mônica.


Esse mês eu atrasei um pouco porque também tive que fazer as imagens para o cabeçalho do blog. Já tem os png’s e um quebra-cabeça.

Recommend on Google